'Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald': chegou!

Crítica por Eduardo Cabanas (Twitter: @edu_dc)

"Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald", Direção: David Yates (Foto: Divulgação - Warner Bros)
"Animais Fantásticos e Onde Habitam" deu certo. O filme que tinha a missão de manter vivo o legado de Harry Potter funcionou, encantou o público, agradou a crítica, ganhou Oscar e fez sucesso o suficiente para se manter vivo pelos próximos 10 anos. A grande dúvida em torno da continuação era justamente saber se ela teria condições de estabelecer uma franquia própria, ou viria a ser lembrada como uma mera sombra da saga literária original. 

A beleza do longa anterior era dosar bem essas necessidades artísticas e comerciais: ao mesmo tempo que reconhecíamos aquele universo, também estávamos sendo apresentados a diversos novos personagens e conceitos. Por maior que fosse seu caráter introdutório, coisa que desagradou muita gente, o roteiro tinha elementos o bastante para criar uma identidade particular, longe do menino que sobreviveu.

Agora, em "Os Crimes de Grindelwald", a situação começa a se inverter. A autora, roteirista e chefona J.K. Rowling parece cada vez mais interessada em construir sua mega franquia, conectando pontos e preenchendo lacunas que talvez não precisassem ser preenchidas. Seu roteiro soa como uma tentativa de abandonar a ideia dos 'animais fantásticos', em prol de uma prequel oficial de "A Pedra Filosofal". O que faz comprovar que o primeiro filme é praticamente dispensável e o segundo enrola demais, a ponto de nem ter conseguido colocar a nova trama nos eixos.

(Foto: Divulgação - Warner Bros)
Importante dizer que isso não faz "Os Crimes de Grindelwald" necessariamente ruim. Pelo contrário, ainda é um produto gostoso de consumir, com uma montagem dinâmica e texto bem amarrado. O design de produção e os figurinos continuam a deslumbrar com a imaginação do mundo bruxo do início do século, desta vez focando em Paris e Londres. Os efeitos visuais deram um belo salto, valorizando por completo as capacidades do cinema IMAX, o que gerou um resultado magnífico nas telas grandes, muito melhor que qualquer outro Harry Potter.

Em paralelo, os personagens ganham novos instantes para se desenvolverem, em especial o protagonista. Eddie Redmayne reforça o acerto que foi sua escalação como Newt, um sujeito de poucas palavras e sorrisos envergonhados que ganha naturalidade com o jeito abobalhado e etéreo do ator. O mesmo pode ser dito de Katherine Waterston e Dan Fogler, que retornam para Tina e Jacob, aproveitando as oportunidades para mostrar lados desconhecidos dos dois: ela com um novo ar de autoridade e ele através de suas falas de lucidez no meio dos alívios cômicos. Por fim, não tem como não mencionar Jude Law, que transmite uma jovialidade meio anárquica à Dumbledore, mas também nos remete ao professor sábio e idoso que tanto amamos através do rosto sempre gentil e voz quase cedendo à rouquidão. 

Portanto, não é exatamente no que foi apresentado que residem os problemas. As grandes questões da franquia no momento giram em torno da demora da mesma engatar e do cheiro preocupante de retcon. Mesmo após dois longas, a impressão é que só agora a história vai começar. E pior, escolheu trilhar um perigoso caminho, onde flerta com a ideia de que tudo está conectado. Daí para cair na correção de continuidade e fazer bobagem no cânone tão certinho dos livros originais é um pulo. Tento ter a esperança de que J.K. não fará isso com a própria obra, mas os indícios de "Os Crimes de Grindelwald" não são os melhores. Claro que, enquanto os próximos capítulos não chegam, cabe a nós curtir a volta deste universo tão delicioso. Não vou negar que ver Hogwarts, mesmo depois de todo esse tempo, ainda é uma enorme alegria.

Nota: 4/5 (Muito Bom)

Mais informações:
- Elenco, fotos e ficha técnica completa: www.imdb.com/title/tt4123430
- Distribuidora: Warner Bros

Sobre o autor: Eduardo é produtor cultural, cinéfilo, viciado em séries, nerd nas horas vagas e autor do blog de viagens Player 1 Viajante: www.player1viajante.com
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!