Festival do Rio 2016 - Dia 2: 'Capitão Fantástico' e 'Minha Amiga do Parque'

Por Eduardo Cabanas (Twitter: @edu_dc)


3) Capitão Fantástico (Captain Fantastic, EUA, 2016), direção: Matt Ross.
(Foto: Divulgação)
Durante a exibição de "Capitão Fantástico" me bateu a sensação que eu mais gosto quando estou no cinema: não querer que o filme acabe. Esta nova produção dirigida por Matt Ross (ator do seriado "Silicon Valley"), que lhe rendeu o prêmio de Melhor Direção na mostra 'Un Certain Regard' em Cannes, tem a virtude de falar de amor e empatia como poucas conseguem. 
A trama segue um homem excêntrico (Viggo Mortensen) que decide cruzar o país com a família para ir ao enterro da esposa que se matou após anos convivendo com uma doença psicológica. O filme então se assume como um road-movie, investindo em situações hilárias e inusitadas pela estrada, uma vez que todos os filhos foram criados na floresta, sem contato com a cultura das grandes cidades e com educação formal. Mas o bonito é que o roteiro sabe diferenciar os momentos cômicos dos mais dramáticos, e dar seus respectivos tempos de risadas e silêncios, além de não estabelecer um vilão ou um mocinho. Quem assistir vai entender como facilmente o 'sogro' poderia ser transformado no malvado sem coração, enquanto a figura do pai seria alçada a herói perfeito. Felizmente, Matt Ross entende que o que está em jogo são as diferentes formas de amar e nossas eventuais falhas e acertos com as pessoas que são importantes para nós. 
Mesmo que se embole um pouco no final, com uma mini reviravolta desnecessária e forçada, e pontualmente peque pelo exagero, o filme consegue encantar desde o início e se encerrar com duas cenas muito tocantes. E cá entre nós, a falecida tinha toda razão. Aquele era mesmo o jeito mais lindo de partir. Nota: 4/5 (Muito Bom)


4) Minha Amiga do Parque (Mi Amiga Del Parque, Argentina, 2015), direção: Ana Katz.
(Foto: Divulgação)
"Minha Amigo do Parque" vem para ocupar a cota de grandes filmes argentinos do ano. Não há quem negue que a filmografia dos nossos vizinhos é uma das melhores da América, com produções de altíssima qualidade e que até se arriscam em diferentes gêneros. Esta, dirigida por Ana Katz, vencedora do prêmio de Melhor Roteiro em Sundance na mostra 'World Cinema - Dramatic', se apresenta inicialmente como um drama doméstico, até se estabelecer quase como um thriller de crime. 
O roteiro trabalha muito bem os pequenos acontecimentos entre as duas personagens principais, contando inclusive com a possível visão preconceituosa do espectador em relação ao elo mais pobre da dupla para fazer o efeito de tensão funcionar. Deixando, por consequência, a resolução da trama mais interessante ainda quando ela chega. 
Ajudado também por uma atuação central poderosíssima da atriz Julieta Zylberberg (de 'Relatos Selvagens'), "Minha Amiga do Parque" é um filme envolvente, tenso, que faz justiça a cinematografia argentina recente, além de funcionar muito bem como exercício de gênero. E vejam só, não tem o Ricardo Darín. Nota: 4/5 (Muito Bom).

Sobre o autor: Eduardo é produtor cultural, cinéfilo e autor do blog de viagens Player 1 Viajante: www.player1viajante.com
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!