Homenageada, Nathalia Timberg vai às lagrimas em prêmio no Rio

Por João Guerra

Nathalia Timberg emociada em premiação (Foto: Claudio Pompeu)
O grande vencedor da terceira edição do Prêmio Cesgranrio de Teatro foi o musical “Kiss me, Kate – O beijo da megera”, da dupla Charles Möeller e Claudio Botelho. A montagem recebeu três prêmios: Melhor Ator em Musical, para José Mayer; Melhor Atriz em Musical, para Alessandra Verney; e Melhor Figurino, para Carol Lobato. O espetáculo é a versão brasileira do consagrado musical “Kiss me, Kate”, de Cole Porter, que por sua vez se inspirou na obra “A megera domada”, de William Shakespeare.

“Krum” – um dos líderes de indicações, ao lado de “Kiss me, Kate” – foi o campeão na categoria Melhor Espetáculo. As montagens “Meu saba” e “Caranguejo Overdrive” também se destacaram, vencendo em duas categorias, cada um.

Elenco do espetáculo "Krum" grande vencedor da noite na catergora Melhor Espetáculo (Foto: Claudio Pompeu)
A cerimônia de anúncio dos vencedores, realizada na noite da segunda, dia 18 de janeiro, foi apresentada pela atriz Cláudia Raia, que está completando 30 anos de carreira com o espetáculo “Raia 30 – O Musical”, e pelo ator Marcos Caruso, atualmente como Feliciano Stewart na novela “A Regra do Jogo”, da TV Globo.

Marcos Caruso e Claudia Raia (Foto: Claudio Pompeu)
Cada vencedor foi agraciado com um troféu confeccionado em aço inox e alumínio, de autoria do artista plástico Yutaka Toyota e criado especialmente para a premiação, além de um prêmio em dinheiro, no valor de R$ 25 mil.

O Prêmio

O Prêmio Cesgranrio de Teatro foi lançado em 2012, com o objetivo de incentivar a cultura e mais especificamente a produção teatral no país. Trata-se do prêmio de maior valor no cenário brasileiro: R$ 300 mil, divididos por 12 categorias.

Os jurados Macksen Luiz, Jacqueline Laurence, Carolina Virgüez, Daniel Schenker, Mirna Rubim, Lionel Fischer e Tânia Brandão avaliaram as peças que estiveram em cartaz no Rio de Janeiro no ano de 2015. Os musicais receberam atenção exclusiva dos jurados em três categorias específicas, o que não acontece em outras premiações teatrais.

Vencedores da 3ª edição do Prêmio Cesgranrio de Teatro

Melhor Ator: Bruce Gomlevsky, por “Uma Ilíada” – troféu entregue por Ney Latorraca

Melhor Ator em Musical: José Mayer, por “Kiss me, Kate – O beijo da megera” – troféu entregue por Francisco Cuoco

Melhor Atriz: Ana Paula Secco, por “O Pena carioca” – troféu entregue por Zezé Polessa

Melhor Atriz em Musical: Alessandra Verney, por “Kiss me, Kate – O beijo da megera” – troféu entregue por Danielle Winits

Melhor Figurino: Carol Lobato, por “Kiss me, Kate – O beijo da megera” – troféu entregue por Adriana Birolli

Melhor Cenografia: Bia Junqueira, premiada por três espetáculos (“A Santa Joana dos Matadouros”, “Meu saba” e “Santa”) – troféu entregue por Cris Vianna

Melhor Iluminação: Aurélio Di Simoni, por “Meu saba” – troféu entregue por Thiago Lacerda

Categoria Especial: Claudio Lins, pela adaptação da obra de Nelson Rodrigues para o teatro musical – troféu entregue por Ricardo Tozzi

Melhor Texto Nacional Inédito: Pedro Kosovski, por “Caranguejo Overdrive” – troféu entregue por Regina Duarte

Melhor Direção: Marco André Nunes, por “Caranguejo Overdrive” – troféu entregue por Marcelo Serrado

Melhor Direção Musical: Marcelo Alonso Neves, por “Amargo fruto – A vida de Billie Holiday” – troféu entregue por Marco Nanini


Melhor Espetáculo: “Krum” – troféu entregue por Bibi Ferreira

A Homenageada


Marcos Caruso, Nathalia Timberg e Claudia Raia (Foto: Claúdio Pompeu)
"Eu não sou atriz por ter que me exibir. Eu sou atriz apesar de ter que exibir"
Nathalia Timberg

A grande homenageada da noite foi a atriz Nathalia Timberg, carioquíssima, filha do meio de um holandês e uma belga, começou sua carreira no teatro amador, lá na década de 1940, depois de formar-se na escola de Belas Artes do Rio de Janeiro. Em 1951, uma virada: a jovem atriz consegue uma bolsa de estudos para cursar atuação na França e lá fica por cerca de quatro anos.

Ao voltar da França, aos 25 anos, a jovem atriz faz sua estreia profissional no teatro: sob a batuta de Bibi Ferreira, estrelava Senhora dos Afogados, do mestre Nelson Rodrigues. A partir daí, sua paixão pelos palcos só aumentava. Ela chegou, inclusive, a integrar o lendário Teatro Brasileiro de Comédia (TBC), onde conheceu grandes amigas, como Fernanda Montenegro e Tônia Carrero. Nunca abandonou os palcos e é, hoje, uma das atrizes brasileiras mais premiadas no meio.

Completando 60 anos de uma carreira artística esplêndida, Nathalia poderia se acomodar e trabalhar no modo automático, mas não. Para sempre inquieta e interessada em sua profissão, ela sempre quer ir além e vai, em 2015, ao lado de sua grande amiga Fernanda Montenegro, levou à TV um romance homossexual entre duas idosas na novela “Babilônia”, trama de Gilberto Braga no horário nobre, teve muita repercussão e deu o que falar, mas Nathalia e Fernanda se mantiveram firmes, não se deixaram esmorecer por comentários negativos e preconceituosos e acredito que devem se orgulhar muito de poderem ter feito e concluído esse casal com honras.

Nathalia subiu ao palco muito emocionada, agradeceu muito a Bibi Ferreira sua mestre e amiga de longa data e ao diretor Wolf Maia grande amigo também e hoje sócio no Teatro Nathalia Timberg (situado na Barra da Tijuca), mas ela não conseguiu se conter e desabou em lágrimas e se desculpou com a plateia, disse que estava com o pensamento confuso, e a apresentadora do prêmio Claudia Raia que também é uma amiga antiga a amparou e a acompanhou de volta ao seu lugar. Foi realmente uma homenagem memorável!

A Festa

(Foto: Claudio Pompeu)
O ponto alto da noite foi quando um seleto grupo de atores e atrizes de musicais se juntaram ao redor de um piano de calda, todos muito elegantes, e resolveram fazer um show a parte cantando temas de musicais e músicas populares brasileiras, dando um verdadeiro espetáculo para os convidados que estavam presentes, uma das músicas que mais se destacou foi "Madalena" que foi muito interpretada pela cantora Elis Regina.

Presidente da Fundação anuncia a inauguração do Teatro Cesgranrio

Beth Serpa e o Carlos Alberto Serpa (Foto: Claudio Pompeu)
Não foi só o anúncio dos vencedores do Prêmio que marcou a noite desta segunda. Durante a cerimônia, em um vídeo produzido pelo Centro Cultural Cesgranrio, o presidente da Fundação, Carlos Alberto Serpa, apresentou o Teatro Cesgranrio, criado para viabilizar a produção de mais espetáculos no Rio de Janeiro.

Com 840 metros quadrados e 320 lugares, o novo espaço fica na sede da Cesgranrio, no Rio Comprido. Segundo Carlos Alberto Serpa, o teatro será aberto em março e ampliará as possibilidades de produção teatral na cidade:

– Foi preciso todo o nosso esforço para realizar nosso sonho, mas o Rio de Janeiro merece essa casa de espetáculos. Nossos artistas, por tudo o que fizeram, fazem e farão pelo teatro brasileiro, merecem mais uma casa de espetáculos, mas desta feita com características não lucrativas. Podemos oferecer a baixos custos a possibilidade de produções teatrais acontecerem na cidade do Rio de Janeiro. E isso faz com que não só haja muita alegria hoje, mas haja também o nosso sentido de responsabilidade para fazê-lo muito bem.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!