Léo Bahia revela ser hiperativo e cita ‘Book’ como divisor de águas

Por Rodrigo Vianna


Léo Bahia é revelação da cena cultural carioca (Foto: Mariana Cardinot/Nó Produções)

Quem vê o ator Leo Bahia na pele de Chacrinha ou do missionário Elder Cunningham, no musical 'The Book Of Mormon”, nem imagina que o niteroiense quase seguiu carreira na medicina. Ainda colhendo os frutos do bem-sucedido “Chacrinha – O Musical”, o ator quer mais. Hiperativo assumido, para ele não tem tempo ruim, e o palco é o limite. Aos 24 anos, o ator conquistou um espaço cobiçado e se tornou uma das grandes revelações do teatro musical na cena carioca. Não é para menos, ao levar em conta seus últimos três trabalhos. Um sonho? Continuar do jeito que está.

GALERIA DE FOTOS: LÉO BAHIA

“Se eu fosse falar de um sonho que eu tenho seria de que continue tudo do jeito que está. Porque tudo na minha vida aconteceu num momento certo, tudo que eu tinha que esperar, eu esperei, tudo que era para ser meu, é meu. Ao mesmo tempo estou num lugar da minha vida que eu decidi parar de esperar as coisas acontecerem. A minha expectativa é que eu faça alguma coisa mais minha, que eu seja mais dono, que fale um pouco mais com minha voz”, disse o ator.

Assista no player abaixo a entrevista completa com o ator Léo Bahia


Léo Bahia é o nosso mais novo convidado especial da série “Encena”, que traz sempre uma entrevista com um ator que se destaca nos palcos cariocas. A cada episódio, teremos uma matéria exclusiva, com vídeo e fotos desses “artistas revelação”. Para estrear essa nova fase do “Encena”, contamos com a participação dos nossos novos parceiros, a “Nó Produções”. O ator recebeu o Contracenarte no Teatro Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Léo Bahia falou sobre sua experiência no palco, sua carreira como ator e como ele entrou para o incrível mundo do teatro.

O quase médico
De pai para filho. Assim podemos descrever o gosto de Léo Bahia pela cultura. O ator é filho da psicóloga formada em teatro Cássia Fontes e do produtor musical Mayrton Bahia. Ele contou que o interesse pelo teatro surgiu ainda criança, mas ele não acreditava muito na sua veia artística. Foi quando começou a arriscar outras áreas. Léo chegou a prestar vestibular para Medicina duas vezes, mas sem sucesso. Um conselho do amigo Davi Guilherme, outro nome conhecido em espetáculos musicais, mudou a sua vida, e fez com que ele apostasse na música. Deu certo.

(Foto: Mariana Cardinot/Nó Produções)

“Prestei vestibular um ano para medicina, e não passei, aí no segundo ano que eu estava tentando para medicina, o Davi Guilherme, que é um amigo meu, disse: ‘Léo, você canta, porque você não faz audição para uma peça que eu vou fazer’. Eu fui fazer essa audição, e fui passando das etapas. Quanto mais eu passava de etapa, mais eu estudava. Comecei a perceber que eu estudava com muito mais facilidade e felicidade, teatro, música, então foi quando eu troquei tudo, entrei na aula de piano, na aula de teoria musical, e comecei a estudar para fazer canto na Unirio”, disse.

Em “Tommy”, peça inspirado no álbum de mesmo nome da banda “The Who”, Léo teve o seu primeiro contato direto com musicais. O espetáculo foi produzido dentro da UNIRIO como parte do projeto de prática em Teatro Musical coordenado pelo professor Rubens Lima Júnior. Depois vieram “Spamalot” e o clássico “Os Miseráveis”, produzida pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, na qual interpretou o protagonista Jean Valjean durante a XII Mostra de Teatro da instituição em 2013.

(Foto: Mariana Cardinot/Nó Produções)

Divisor de águas
O melhor ainda estava por vir. Foi na montagem acadêmica de “The Book of Mormon”, também produzida pela UNIRIO, que Léo Bahia encontrou o seu lugar ao sol.  Ao lado do amigo e colega de palco, Hugo Kerth, o ator deu vida ao protagonista Elder Cunningham, enquanto Kertg interpretava Elder Price. No começo, ninguém imaginava que uma montagem acadêmica pudesse sair dos limites do campus e conquistar o público, fazendo até grandes nomes como Fernanda Montenegro se emocionar. O sucesso foi reconhecido em crítica positiva da colunista Bárbara Heliodora, do jornal O Globo.

“O que eu acho mais engraçado do ‘Book’ é que seria apenas mais um projeto, que já tinha seis, sete anos. Só que ele ganhou proporções enormes, que ninguém esperava. Calhou de uma pessoa iluminada, chamada Barbara Heliodora, assistir a gente, então ela fez uma crítica que saiu no jornal O Globo, e as pessoas começaram a comentar. As pessoas começaram a assistir, e a gente começou a receber convite para sair da faculdade, e rendeu frutos maravilhoso. O ‘Book’ foi um divisor de águas para mim.  Em termos de eu falar assim, ‘ok, eu sou um ator. Eu não sou um cantor que atua, eu sou um ator que canta’”, lembra.

(Foto: Mariana Cardinot/Nó Produções)

O Velho Guerreiro
Em meio a um turbilhão, Léo ainda estava em cartaz com o musical “Ópera do Malandro”, onde interpretou Lúcia, quando surgiu outra oportunidade: após concorrer nos processos seletivos, o ator conquistou o papel de Chacrinha no musical biográfico em homenagem ao “Velho Guerreiro”. No palco, ele dividiu com Stepan Necerssian o personagem, interpretando o apresentador desde sua infância até o estrelato: “Eu mudei minha vida inteira. ‘Chacrinha’ foi um desafio gigantesco para mim, e ao mesmo tempo foi muito prazeroso, divertido, e eu fiquei muito feliz”, disse.

Sonhador, Léo Bahia é modesto ao falar do futuro e revelou ao Contracenarte uma palavra especial no vocabulário: “Tem uma palavra que eu gosto muito que é ‘intérprete’. Quando você é interprete você interpreta uma mensagem, uma música, ou alguma coisa que a pessoa escreveu. Gosto de me expressar pela palavra do outro. O teatro para mim é um jeito de pôr palavras no que eu sinto. Cada um tem um prazer absurdo de fazer alguma coisa, e o meu é esse, o teatro. Não é só o aplauso, é você ter o prazer de estar com a galera, de se maquiar, de não dormir direito, pensando no seu personagem, sou completo, sou feliz fazendo isso”, completou.

Sobre o “Encena”
Abram as cortinas. O Contrancenarte tem o prazer de apresentar o “Encena”, uma série especial que vai trazer entrevistas com nomes do teatro e da música que têm se destacado no cenário cultural carioca. A cada episódio, o público em casa poderá conhecer um pouco mais sobre o trabalho desses artistas. A sua história, trajetória, carreira, trabalhos atuais e experiência. Tudo será contado com exclusividade para o nosso portal, trazendo público para mais perto do artista. Afinal, como o nome já diz, vamos colocar esses “artistas revelação” “em cena” e mostrar as suas caras. Aqui, você é a nossa grande plateia.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!