Resenha 'Glossário dos nomes próprios' de Alex Cerveny

Por Leonardo Rebello

alex cerveny, glossario, 2015
(foto: Reprodução " Glossário" 2015 )
Glossário dos nomes próprios - Alex Cerveny

Primeira Impressão: Salvador Dalí Brasileiro

Segunda Impressão: A erotização do misticismo e do amor nunca foram tão claras e objetivas.

Em sua exposição lembra-se do saudoso Salvador Dalí (DÁ-LHE DALÍ), juntamente com um toque de romantismo mitológico e conflitos sexuais masculinos. Apresentando obras dinâmicas e nada convencionais, dialoga-se sobre a poesia moderna e a imaginação fantasiosa das vivências afetivas.

Entre as obras, uma escultura em madeira representada por uma caixa (uma caixa de música ou porta joia, uma herança familiar). As demais, gravuras –em sua maioria – e telas em óleo. 

alex cerveny, a extensão da terra, 2014
(foto:Reprodução - "A extenção da Terra" 2014)
Sendo a principal uma grande árvore genealógica mística em um dialeto próprio desenvolvido pelo artista, composta de faces masculinas e símbolos gregos, cores frias e pesadas brincam com a melancolia e as memórias do artista. O que nos leva a questionar a existência do artista, ou a denominação do mesmo como “Náufrago solitário”.

A exposição torna-se atraente devido ao segundo salão representar um grande oceano negro, repleto de pedras e rotas marítimas, nomeações de ilhas e mares inventados.

Os desenhos do artista são todos de homens e seus órgãos sexuais de poder. Masturbação, erotização de movimentos, todos desenhados e ligados ao misticismo grego e a ufologia, cosmologia. A beleza encontra-se no conjunto, no erótico, no traço simples e preto. No realismo das faces e movimentos – e que movimentos.

alex cerveny, a máquina do mundo, 2014
(foto:Reprodução - "A Maquina do Mundo" - 2014)
Alex Cerveny é caracterizado pela riqueza de detalhes em camadas – daí lembramo-nos de Dalí e seu impressionismo. Suas obras aproximam o público do real sonho que todo “homem” tem, desejos, histórias, pequenos nomes e lembranças afetivas participam das obras e fortalecem novas e futuras promessas e surpresas.

Cerveny valoriza o processo de trabalho e o diálogo entre suas obras e se resume: “Eu me sinto mais um escritor que escreve imagens, me sinto mais um cronista que um artista.”
Seguindo tal filosofia, sentindo-se mais do que somos. Recomendo a amostra para um teste de autoconhecimento. Encontrando-se ou redescobrindo-se, volte aqui e compartilhe, se desejar, se achar ou achar-se. 



Serviço:

"Glossário dos nomes próprios" de  Alex Cerveny 

Local: Paço Imperial - Pavimento
Praça XV de Novembro 48 - Centro
Rio de Janeiro/ Brasil
Tel.: +55 21. 2215-2622
www.pacoimperial.com.br
Em cartaz até 07/06/2015
Horários: Terça a domingo, 12-18h

Quanto: Entrada Franca
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!