'A Rainha da Neve' tropeça, mas envolve com trama 'congelante'

Por Pablo Pêgas


Apesar de erros, "A Rainha da Neve" consegue envolver crianças (Foto: Divulgação)

O Contracenarte foi dar uma conferida na peça infantil "A Rainha da Neve" e olha só que a gente achou:

Bom, "A Rainha da Neve" não é "Frozen - Uma Aventura Congelante", sucesso da Disney que estreou no Brasil no ano passado. Contudo, tocam algumas músicas do filme antes e durante a peça. Alguns personagens presentes na telona estão no palco, como Anna, Elsa, Kristoff (agora Príncipe Christian e sem sua rena Sven) e Picolé, o qual diz ser primo do boneco de neve apaixonado pelo verão, Olaf. A peça também é inspirada na real obra de Hans Christian Andersen, "A Rainha da Neve", e não na versão retratada pela Disney, logo também temos personagens novos colocados no palco, como Gerda e Kay, dois amigos que tomam a história principal da peça, Hans, que no palco é um troll e não o príncipe fingidor que vimos nas telas, e um duende malvado que ocupa o posto de grande vilão.

(Foto: Divulgação)

Sobre o que a peça propõe contar, conseguimos captar, porém, peca na forma como ela é contada. Começamos sendo apresentados a um duende malvado, que possuía um espelho mágico quebrado, cujos os pedaços de vidro uma vez penetrados no coração de uma pessoa, a transformaria em um ser egoísta e mau. Esse espelho partido é o que faz a peça acontecer. O duende atravessa o palco e rapidamente prende nossa atenção e pesca aquele silêncio de surpresa das crianças. O grande duende com braços longos ocupando quase que o palco inteiro é a imaginação criando forma e se movimentando. Não precisamos saber como ele é executado ou movimentado, a graça está no tamanho e na vontade de acreditar. 

Entretanto quando somos apresentados a Picolé (Jal Amorim), primo de Olaf, a mágica da imaginação enfraquece, temos um ator vestido com um figurino que remete a um personagem controlando um fantoche que é o real personagem. Seria mais necessário o ator-personagem ou o fantoche? Se for o primeiro, facilmente eliminaríamos o segundo; se for o segundo, cobrimos de fato o primeiro. Os personagens principais Gerda (Marina Tourinho) e Kay (Alex Felippe) transitam bem durante a peça. Acreditamos na relação dos dois, porém parece faltar algo que faça a busca de um pelo outro ser algo tão essencial para que ambos existam.

(Foto: Divulgação)

Personagens
Quando Kay é atingido pelos cacos do espelho do duende, sua transformação é rápida e silenciosa, parece faltar uma aventura entre o malvado duende e o menino, algo que realmente faça parecer com que Kay fora atingido e que agora sua personalidade vem mudando fazendo com que Gerda não o reconheça mais e assim a peça ganhar o real conflito com mais potência. A personagem de Elsa (Francine Flach), a Rainha da Neve, como coadjuvante não alcança o público, e na hora do famoso "Let It Go" reproduzido e dublado em inglês afasta ainda mais. Já Anna (Marcela Dias), aqui chamada de "Rainha do Verão", realmente aquece a plateia e as crianças finalmente desencostam da cadeira e do colo dos seus pais e gargalham de verdade. 

A chegada de Christian (Bruno Nunes) e sua tímida e apaixonada  relação com Anna arrancam risos gostosos de uma plateia ansiosa por diversão. A trajetória da menina Gerda atrás de seu melhor amigo, Kay, não conta com obstáculos, somente encontros que se acumulam a busca. Há uma falta das personagens se acrescentarem mais do que somente passarem umas pelas outras. Ainda existe mais um personagem, o Hans Troll, servente da Rainha da Neve, o qual não justifica a existência na trama, apesar da boa atuação do ator Leonardo Gattuso. O personagem não impede a trajetória e nem a ajuda acontecer, só existe em menção ao passado das irmãs Elsa e Anna.

(Foto: Divulgação)

O conto e o filme
Sobre ser engraçada: as piadas ainda precisam se encontrar, algumas vezes parecia que estávamos num reino mágico, outras numa fantasiosa Gávea congelada. Por fim, a história acaba se misturando entre conto e filme e assim não cria uma unidade. 
     
Uma coisa não podemos negar: "A Rainha da Neve" envolve as crianças. Elas vão querer tirar foto depois com os personagens. Afinal, tem Elsa e Anna, tem "Let it Go", tem efeitos projetados que faz com que a Rainha da Neve realmente esteja controlando o gelo, tem valores como a importância de se acreditar numa amizade e de respeitar e aceitar as diferenças de cada um. A peça enxerga a criança na plateia e a traz literalmente para o palco. Esse cuidado é importante. Uma criança quando vai ao teatro espera um encontro entre o seu excesso de imaginação e aquilo que o palco é capaz de produzir.

(Foto: Divulgação)

Ficha técnica: 

História: Hans Christian Andersen 
Texto e Direção: Leandro Mariz e Sabrina Korgut 
Iluminação, cenografia e figurinos: Leandro Mariz 
Trilha sonora: Sabrina Korgut 
Ilustrações: Marcela Dias 
Visagismo: Tiago Higa 
Marketing cultural: Glória Diniz 
Camareira: Solange Lima 
Cenotécnico: Luiz Antônio Camarão 
Costureira: Amelia e equipe 
Coordenação artística: Tiago Higa 
Produção executiva: Walkyria Bittencourt 
Realização: Goldfinch Entretenimento

Elenco:

Francine Flach - Rainha da Neve 
Marcela Dias - Rainha do Verão 
Marina Tourinho - Gerda 
Alex Felippe - Kay 
Bruno Nunes - Príncipe Christian 
Leonardo Gattuso  - Hans Troll
Jal Amorim - Picolé

Onde: Teatro Clara Nunes, Shopping da Gávea.
Quando: Sábados e Domingos às 17h
Quanto: R$ 70 (Inteira), R$ 35 (Meia) - Crianças a partir de 1 ano pagam meia entrada.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!