'À Beira do Abismo me Cresceram Asas' encanta com sua delicadeza

Por Pablo Pêgas

Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz emocionam nos papéis de duas idosas (Foto: Divulgação)

O texto de "À Beira do Abismo me Cresceram Asas" é grandioso. Pra começo de conversa, Maitê Proença sabe usar as palavras. É sublime ouvir todas aquelas histórias reunidas. São desabafos, são críticas, conselhos, são conversas em poesia. As personagens, Terezinha (Maitê Proença) e Valdina (Clarisse Derzié Luz) são duas idosas que vivem em um asilo, tendo que improvisar coisas para se fazer no dia. Presas com a rotina monótona e amigas do tempo, se vêem obrigadas a fofocar e contar causos uma a outra e a nós, visitantes ou entrevistadores calados e curiosos para descobrir quem são essas duas gentis senhoras.

Logo assim que sentamos nas cadeiras do teatro, já somos acolhidos pelas atrizes no palco com seus camarins expostos, ambas terminam de se aprontar já com todos nós ali a espera. As contra-regras ao invés de preto vestem branco como cuidadoras e passam pra lá e pra cá ajeitando coisas ali e aqui, tudo na aparente coxia se transforma no tranquilo asilo que serve de lar as personagens.

(Foto: Reprodução/Internet)

Duas cadeiras são postas pelas atrizes no centro do palco, primeiro se aproxima Terezinha, senta, se aconchega e começa a sua primeira história, que começa tarde e nos faz perguntar do que ela está falando, já pela metade, entendemos e nos pegamos rindo da confusão. O tom suave de Terezinha se contrasta com o esbanjado e divertido tom de Valdina que já entra em cena colorida, cheia de vida. Terezinha é uma brisa que balança a folha da árvore, mas não a derruba até a hora chegar, Valdina é um sopro forte que arranca a folha, rodopia no ar e a carrega gentilmente até tocar o chão. As duas personagens, diferentes, opostas se complementam. Uma relação delicada, porem firme. 

Esquecidas, deixadas, abandonadas, elas vivem a espera de algo. Terezinha espera os filhos virem visitar, enquanto Valdina, sozinha por circunstâncias da vida, espera só sua cervejinha chegar. A espera de Terezinha é angustiante, ela acalma a ansiedade a todo o instante, se mantendo otimista e nos fazendo otimistas também. Cruzamos nossos dedos junto com ela. Contudo, a realidade transforma a sua espera dos filhos na espera do fim que se aproxima. A beira do abismo, ela se mantem até suas asas brotarem e como uma borboleta, ela salta para o voo empurrada pelo sopro reverencioso, amável e forte de Valdina, que fica.

(Foto: Reprodução/Internet)

O Contracenarte indica "À Beira do Abismo me Cresceram Asas". Uma peça simples, delicada, poética, ora divertida, ora mais reflexiva. Um encantador diálogo que atravessa questões presentes na vida de cada um de nós. Vale a pena conferir essa linda história contada por Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz.

Maitê, atriz e escritora
O espetáculo tem dramaturgia e direção da própria Maitê Proença. A atriz criou o texto que faz refletir sobre o tempo, as emoções da vida, a solidariedade e a importância de compartilhar, em um misto de humor e delicadeza. Depois de estrear no Rio de Janeiro, passou por São Luís (MA), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR) e esteve em cartaz no Teatro FAAP e Itália, em São Paulo, por dois meses e meio em cada, sempre com enorme de público e crítica. O espetáculo transcorre em uma atmosfera que valoriza, com delicadeza e humor, todos os conteúdos em jogo. 

(Foto: Reprodução/Internet)

Entre o encerramento da temporada de SP e a reestreia em solo carioca, o espetáculo pegou a estrada e aportou em quatro grandes cidades do país: Natal, Recife, Belo Horizonte e Brasília. Em 2014, outras cidades receberam esta dupla de velinhas: Belém, Maceió, Fortaleza, Juiz de Fora, Campinas, Jundiaí, Petrópolis  e Florianópolis. Além, é claro, das temporadas populares, já ditas acima, em duas das melhores casas de espetáculos do Rio de Janeiro.

O lado escritora de Maitê Proença
Paralelamente à carreira de atriz, e dramaturga, Maitê segue seu trabalho como escritora. O terceiro livro de sua carreira, ‘É duro ser cabra na Etiópia’, nas livrarias, pela editora Agir, apresenta aos leitores uma nova faceta em sua trajetória: a de editora. Maitê foi quem selecionou os textos que compõe o livro, a partir de mais de 2000 crônicas enviadas a ela, por meio de um site criado especialmente para receber o conteúdo. Entre os autores estão anônimos e famosos, como José Eduardo Agualusa, Tatiana Salem Levy, Clarisse Niskier, Jorge Forbes, Carlos Heitor Cony e a própria Maitê.

(Foto: Reprodução/Internet)

O projeto gráfico, absolutamente original, foi criado por Maitê junto aos designers da Cubículo, com páginas coloridas que foram diagramadas individualmente. Os temas e estilos variam ao se adequar às duas regras impostas por Maitê:  textos curtos de até 1.500 caracteres, e que contenham humor.
Após cada espetáculo, a atriz Maitê Proença autografa seus livros.

Ficha Técnica

Autora: Maitê Proença
Ideia original: Fernando Duarte
Supervisão Direção: Amir Haddad
Direção: Clarice Niskier e Maitê Proença
Elenco: Maitê Proença e Clarisse Derzié Luz
Cenário: Cristina Novaes
Desenho de Luz: Jorginho de Carvalho
Figurinos: Beth Filipecki
Trilha Sonora: Alessandro Perssan
Direção de Movimento: Angel Vianna
Preparação Vocal: Rose Gonçalves
Assistentes de iluminação: Daniel Galván
Assistente de Figurino: Edy Galvão
Confecção de Figurinos: Atelier de Costura – Edy & Ga
Assistente de Cenografia: Dina Levy
Assistente de Movimento: Marina Magalhães
Fotografia: Renata Dillon (estúdio) e Paulo Kossatz (de cena)
Visagista: Cristiane Vicente 
Maquiagem: Fabíola Gomez
Operador de Luz: Russinho
Operador de Som: Roberto Silva
Diretor de Cena: Lucia Martinusso
Camareira: Nájala Nascimento
Produção executiva e administração: Marcela Epprecht
Coordenação de Produção: Bianca de Felippes
Realização: M. Proença Produções Artísticas 
Produção:  Gávea Filmes

SERVIÇO

"À Beira do Abismo Me Cresceram Asas"

Onde: Theatro Net Rio – Sala Tereza Rachel. Rua Siqueira Campos, 143 – Sobreloja – Copacabana. (Shopping Cidade Copacabana).
Quando: 3 de Novembro até  a 1 de Dezembro | Horário: Segunda às 21h. / Sábado às 17h. 
Quanto: Ingresso: R$100,00 (plateia) R$ 80,00 (balcão).
Classificação: 12 anos | Duração: 80 min | Lotação: 622 lugares
Telefone do teatro: 21 2147 8060 / 2148 8060
Vendas: www.ingressorapido.com.br / consulte os pontos de vendas no site.
Horário de funcionamento da bilheteria: 10h. às 22h.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!