'Hoje Eu Quero Voltar Sozinho' é o indicado do Brasil por vaga no Oscar

Da Redação
do Contracenarte, Rio de Janeiro
Cena do longa (foto: Divulgação)
Longa tem protagonista cego e gay e já ganhou prêmio em Berlim. Seleção final para candidatos a melhor filme estrangeiro é feita pelo Oscar.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, anunciou nesta quinta-feira (18), em evento na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, que o longa "Hoje eu quero voltar sozinho", de Daniel Ribeiro, vai representar o Brasil na disputa pelo Oscar 2015 de melhor filme em língua estrangeira. A seleção final dos concorrentes na categoria ainda será definida pela organização da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, responsável pela premiação. Os indicados devem ser divulgados no dia 15 de janeiro. A 87ª edição do Oscar acontece no dia 22 de fevereiro.

"Hoje eu quero voltar sozinho" mostra a história de um garoto deficiente visual e homossexual, Leonardo, interpretado por Guilherme Lobo. Na trama, o protagonista tenta fugir da superproteção da mãe e tem de lidar com as descobertas da adolescência. Um dos temas é justamente um romance jovem gay.

O filme teve estreia mundial no prestigiado Festival de Berlim, em fevereiro. Lá, ganhou o Teddy de melhor longa para um filme com temática LGBT e o prêmio da Fipresci (Federação Internacional de Críticos de Cinema) de melhor filme da mostra Panamorama. Na época do lançamento no Brasil, o diretor afirmou que houve uma "invasão gay" brasileira em Berlim.

Sobre a produção, Marta Suplicy disse nesta quinta, durante o anúncio: "É uma obra de alta sensibilidade, de linguagem universal. Pode fazer história para nós".

Dizendo-se surpresa com a pré-indicação, a produtora Diana Almeida informou que "Hoje eu quero voltar sozinho" estreia nos Estados Unidos em 7 de novembro. Primeiro, em salas de Nova York e San Francisco, depois em mais 30 cidades. Para ela, o romance gay é mostrado de forma "leve". "É um filme com formato clássico, mas com um protagonista diferente, cego e gay. E deu supercerto", afirmou. "Foram quatro anos e meio para fazer esse filme. É muita pretensão falar que vai ajudar a diminuir a homofobia no Brasil, mas ele passa uma mensagem muito positiva. E os relatos do público até agora foram incríveis, mesmo do público heterossexual." O cineasta Daniel Ribeiro não participou do evento na Cinemateca porque está lançando o filme na Austrália.

A última vez que o Brasil teve um filme indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro foi em 1999, com "Central do Brasil". Também concorreram ao prêmio "O pagador de promessas" (1963), "O quatrilho" (1996) e "O que é isso, companheiro?" (1998).


Adversários
O prazo para o recebimento de inscrições de longas brasileiros se encerrou no dia 10 de setembro. Foram admitidas apenas produções exibidas no circuito comercial pela primeira vez e por pelo menos sete dias consecutivos no período de 1º de outubro de 2013 a 30 de setembro de 2014, comprovado por meio do cronograma de exibição. De acordo com o Ministério da Cultura, 20 filmes foram inscritos, mas dois deles ("Faroeste caboclo" e "A coleção invisível") não puderam concorrer por terem entrado em cartaz antes da data limite estipulada pela Academia. A Comissão Especial de Seleção era formada por George Torquato Firmeza, Jeferson Rodrigues de Rezende, Luis Erlanger, Sylvia Regina Bahiense Naves e Orlando de Salles Senna.

Os últimos representantes do Brasil na seleção aos indicados a melhor filme em língua estrangeira foram "O som ao Redor" em 2014, "O palhaço" em 2013, "Tropa de elite 2: O inimigo agora é o outro" em 2012, "Lula, o filho do Brasil" em 2011 e "Salve geral" em 2010. E a última vez em que uma produção nacional conseguiu chegar à lista final dos cinco indicados foi em 1999, com "Central do Brasil".

Veja a lista dos 18 filmes que disputaram a seleção nacional para o Oscar 2015:
"A grande vitória", de Stefano Capuzzi
"A oeste do fim do mundo", de Paulo Nascimento
"Amazônia", de Thierry Ragobert
"Dominguinhos", de Eduardo Nazarian, Joaquim Castro e Mariana Aydar
"Entre nós", de Paulo Morelli
"Exercício do caos", de Frederico Caos
"Getúlio", de João Jardim
"Hoje eu quero voltar sozinho", de Daniel Ribeiro
"Jogo de xadrez", de Luís Antônio Pereira
"Minhocas", de Paolo Conti e Arthur Nunes
"Não pare na pista: A melhor história de Paulo Coelho", de Daniel Augusto
"O homem das multidões", de Marcelo Gomes e Cao Guimarães
"O lobo atrás da porta", de Fernambo Coimbra
"O menino e o mundo", de Alê Abreu
"O menino no espelho", de Guilherme Fiúza Zenha
"Praia do futuro", de Karim Aïnouz
"Serra pelada", de Heitor Dhalia
"Tatuagem", de Hilton Lacerda

Fonte: G1
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!