'Silêncio!' expõe os segredos de um família judaica

Por Pablo Coelho Pêgas

Elenco de "Silêncio!" (Foto: Reprodução/Internet)

Quem não tem?

Há sempre segredos escondidos em família. Estão lá, nos bolsos das calças ou dos paletós, dentro do pote em cima da geladeira, debaixo do colchão, entre os livros da estante, no fundo do armário. Alguns aparecem rápidos, outros depois de uns anos, e aqueles mais pesados quando encontrados são rapidamente escondidos novamente em um relicário. Mas na verdade, é que uma hora ele vai sair, não adianta. Segredo que é segredo nunca ficará no silêncio! 

Este é o nome da peça escrita por Renata Mizrahi - "Silêncio!" -  também dirigida por ela em parceira novamente com Priscila Vidka (indicadas ao FITA 2013 pela peça "Os Sapos"). Silêncio! conta a história de uma família judaica  nos dias atuais, na qual temos um avô gentil, uma avó complicada, uma mãe submissa, um pai extremamente irritante, uma filha perfeita e uma ovelha negra, e ainda um noivo que aparece - que eu achei se tratar de Godot, mas não. A família se reúne na casa nova da filha perfeita para celebrar o tradicional dia de repouso judaico (Shabat) e coincidentemente o aniversário da submissa mãe que pelo desenrolar de tudo é a que mais carrega o nome da peça. 

(Foto: Reprodução/Internet)

Quando ouvimos falar de "jantar de família", já imaginamos o desalinho que virá a tona - e ele vem, demora, mas vem. A maré da confusão cresce gradativamente com a peça, e alcança momentos de ondas altas, mas logo se quebra, em seguida volta a se formar ondas altas, e novamente se quebram, até retornarem o máximo que podem e voltarem em uma tsunami expondo o segredo há tempos guardados que acaba derrubando o alicerce de cada personagem. 

A opção das diretoras em manter coxias aparentes em cenas mistura o ar realista da peça com o não realista; a comida que não se faz presente mas se come também entra nessa escolha que é um ponto forte na peça. -  Afinal de contas, "quando vamos ao teatro, estamos indo dispostos a imaginar." Contudo, a saída de cena dos personagens justifica a quebra das ondas que se tornam uma constante na peça, e por vezes, diminuem nossa atenção para o que está realmente em voga: eles não se comunicam. Falam, falam, falam, mas quase não se escutam. Por vezes não se repeitam. Há sempre um silêncio. 

(Foto: Reprodução/Internet)

Apesar do nome remeter ao segredo por anos guardados, a comunicação da família também justifica o nome. E isso me instigava na cadeira para vê-los tendo que lidar com essa situação, queria vê-los presos ali naquele espaço, cara a cara com o conflito, com o segredo da família, com as submissões, com os enjoos, com o silêncio que incomoda por demais quando não há escapatória. Queria vê-los se enfrentando, mas eles fugiam a todo o instante, um a um, fugiam ora para a cozinha, ora para o quarto. Até a tsunami se formar, muitas ondas se quebram.  A chegada esperada - inesperada pra mim - do noivo põe um fim a tsunami que finalmente se forma  e traz aquela comicidade ao cobrir novamente o segredo e assim estamos de volta ao silêncio.

Um texto rápido e inteligente, de fácil acompanhamento, ora engraçado, ora afiado. O elenco se mostra seguro e confortável no espaço, o que faz com que sintamos como se os observássemos por uma janela. Apesar da dificuldade e o descostume do uso do teatro em palco arena, tudo se encaixa devidamente bem, desde a disposição do cenário, passando pela iluminação até a movimentação do elenco. Sobre a iluminação, talvez pudesse ser um artificio para que pudêssemos focar mais nos personagens que ficam em cena ao invés de observarmos os que saem. Fora esse meu intrometido conselho, ela foi bem utilizada, criou um ambiente aconchegante e acolhedor apesar da família apresentar ser exatamente o oposto. Peça boa! - e barata! Vamos conferir.

(Foto: Reprodução/Internet)

Ficha Técnica:

Texto E Idealização: Renata Mizrahi
Direção: Priscila Vidca E Renata Mizrahi
Elenco: Susana Faini, Karen Coelho, Verônica Reis, Jitman Vibranovski, Alexandre Mofatti, Vicente Coelho e Gabriela Estevao
Stand-In: Flávia Milioni, Léo Wainer e Zé Guilherme Guimarães
Cenário: Nello Marrese
Assistente De Cenografia: Laura Diniz
Figurino: Bruno Perlatto
Iluminação: Renato Machado
Assistente De Direção: Flavia Milioni
Design Grágico: Márcio Freitas
Fotografias: Renato Mangolin
Produção Executiva: Tamires Nascimento
Administração: Alan Isidio
Assessoria De Imprensa : Sg Assessoria De Imprensa Sheila Gomes
Direção De Produção: Sandro Rabello
Realização: Isídio Produções E Diga Sim! Produções


Serviço:

"Silêncio!" 

Onde: SESC Copacabana -Rua Domingos Ferreira, 160 –
Copacabana - Tels.: (21) 2547-0156
Quando: de 1º de agosto a 24 de agosto de 2014
Horário: de quinta a sábado às 20h30; domingo às 19h
Quanto:  R$ 5 (associados SESC), 
R$ 10 (estudantes e idosos) 
R$ 20 (inteira)
Bilheteria: de terça a domingo - 15h às 21h
Duração: 80 minutos
Gênero: Comédia/ Drama
Classificação: 12 anos
Capacidade: 240 lugares

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!