Prêmio da Música Brasileira 2014 vai homenagear o 'Samba'

Da Redação
 
Homenagem a Tom Jobim - 24° Prêmio da Música Brasileira - 2013 (foto: Beth Niemeyer)

O Prêmio

Lançada em 1987, a premiação incentiva a descoberta de talentos e premia artistas consagrados e novos.  Faz isso celebrando a música nacional: a cada ano, homenageia um artista brasileiro. Em 2014, pela primeira vez em sua história, o Prêmio vai homenagear um ritmo: "O Samba"

Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi, Maysa, Elizeth Cardoso, Luiz Gonzaga, Ângela Maria & Cauby Peixoto, Gilberto Gil, Elis Regina, Milton Nascimento, Rita Lee, Jackson do Pandeiro, Maria Bethânia, Gal Costa, Ary Barroso, Lulu Santos, Baden Powell, Jair Rodrigues, Zé Kéti e Dominguinhos, Clara Nunes, D. Ivone Lara, Noel Rosa, João Bosco e Tom Jobim já foram relembrados no Prêmio. Um time plural como a música brasileira.  

Um conselho – formado por Gilberto Gil, João Bosco, Yamandú Costa, Wanderlea, Arnaldo Antunes, Antonio Carlos Miguel e pelo idealizador do Prêmio, José Maurício Machline – determina o regulamento, o homenageado e o os 26 jurados que formarão o júri a cada edição. São críticos, jornalistas e músicos que definem os selecionados e os três finalistas: ao todo, são 111 indicados. O resultado é revelado na festa de entrega, numa noite sempre emocionante.

Sobre o Homenageado: "O Samba"

"Ô Abre Alas que ele quer passar!"

 (foto: Reprodução/ Internet)

O samba é indiscutivelmente o gênero musical que confere identidade ao Brasil. O ritmo tem origem afro-baiana, temperado com misturas cariocas. Nascido da influência de ritmos africanos para cá transplantados, sincretizados e adaptados, foi sofrendo inúmeras transformações de caráter social, econômico e musical até atingir as características que conhecemos hoje.

 O gênero, descendente do lundu (canto e dança populares no Brasil do século XVIII), começou como dança de roda originada em Angola e trazida pelos escravos, principalmente para a região da Bahia. Também conhecido por umbigada ou batuque, consistia em um dançarino no centro de uma roda, que dançava ao som de palmas, coro e objetos de percussão e dava uma ''umbigada'' em outro companheiro da roda, convidando-o a entrar no meio do círculo. Por isso, acredita-se que origem provável da palavra samba esteja no desdobramento ou na evolução do vocábulo "semba", que significa umbigo em quimbundo (língua de Angola).Do ritual coletivo de herança africana ao gênero musical urbano, surgido no Rio de Janeiro no início do século XX, muitos foram os caminhos percorridos pelo samba, que esteve em gestação durante pelo menos meio século. 

Com a transferência, no meio do século XIX, da mão-de-obra escrava da Bahia para o Vale do Paraíba e, logo após, o declínio da produção de café e a abolição da escravatura, os negros deslocaram-se em direção a capital do país, Rio de Janeiro.

Instalados nos bairros cariocas de Gamboa e Saúde, eles dariam início à divulgação dos ritmos africanos na Corte. Eram nas casas das tias baianas, como Amélia, Prisciliana e a mais famosa delas, Ciata que aconteciam as festas de terreiro, as umbigadas e as marcações de capoeira ao som de batuques e pandeiros. Essas manifestações culturais propiciariam, consequentemente, a incorporação de características de outros gêneros cultivados na cidade, como a polca, o maxixe e o xote. “Assim nasceu o samba carioca, após longa gestação, da África à Bahia, de onde veio para ser batucado nos terreiros da Saúde e finalmente, tomando nova forma rítmica a fim de adaptar-se ao compasso do desfile de um bloco carnavalesco", afirma Mario de Andrade no seu Dicionário Musical Brasileiro.

Saiba mais sobre a história: AQUI!

Edição 2014 

(foto: Reprodução/ Internet)

O Prêmio da Música Brasileira apresenta a lista de indicados a sua 25ª edição. São 103 nomes, selecionados a partir dos 799 CDs e 88 DVDs inscritos, distribuídos em 16 categorias. A cerimônia será realizada no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no dia 14 de maio, e marca o quinto ano de parceria com a Vale. Para celebrar as bodas de prata, pela primeira vez a homenagem não será a um artista, mas a um gênero musical, o samba.  A apresentação será de Camila Pitanga e Mateus Solano, com roteiro de Zélia Duncan. José Maurício Machline, idealizador do Prêmio, convidou Beth Carvalho para ser a consultora da cerimônia este ano.

  “O conselho optou por homenagear o mais autêntico gênero musical brasileiro e será uma alegria imensa celebrarmos esses 25 anos reafirmando nossa parceria com a Vale, que exalta e engrandece o nosso bem maior, que é a música brasileira e seus artistas”,  afirma José Maurício Machline.
 
Este ano, Wilson Das Neves desponta como o recordista de indicações: seis, incluindo as três concorrentes na categoria Melhor Canção, todas de autoria dele: ‘Cara de queixa’ (com Paulo César Pinheiro), ‘Samba para João’ (com Chico Buarque) e ‘Se me chamar, ô sorte’ (com Cláudio Jorge). Das Neves concorre como Melhor Cantor de Samba por ‘Se me chamar, ô sorte’, indicado ainda a Melhor Álbum de Samba. O projeto está indicado também a Melhor Arranjador, o músico Vittor Santos.

A vice-liderança ficou com Ney Matogrosso, com quatro indicações por ‘Atento aos sinais’: Melhor Álbum e Melhor Cantor Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk, além de Melhor Arranjador (Sacha Amback) e Melhor Projeto Visual (Cassia D´Elia).

A terceira colocação ficou dividida entre quatro artistas. ‘Recanto ao Vivo’ concorre a Melhor DVD e Melhor Álbum de Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk, além de dar a Gal Costa a indicação como Melhor Cantora na categoria.  Edu Lobo está indicado como Melhor Cantor de MPB, com ‘Edu Lobo e Metropole Orkest’, finalista como Melhor Álbum. O disco rendeu ainda uma indicação para Gilson Peranzzetta como Melhor Arranjador.

A cantora amapaense Patricia Bastos também conseguiu três indicações: Revelação, Melhor Cantora Regional e Melhor Álbum Regional (‘Zulusa’). Por fim, a OSESP ocupou as três vagas na categoria Melhor Álbum Erudito, pelos discos ‘Concerto Antropofágico’, ‘Heitor Villa-Lobos – Sinfonia n° 6 e n° 7’ e ‘Rachmaninov’.

Com duas indicações estão nada menos do que 14 artistas/projetos.  O grupo paulista Bixiga 70 concorre como Revelação e Melhor Álbum Instrumental (‘Bixiga 70’). Na Categoria instrumental, Yamandu Costa e Hamilton de Holanda concorrem como Melhores solistas e também como Melhor Álbum (‘Continente’ e ‘Mundo de Pixinguinha’, respectivamente). O terceiro concorrente a Melhor Álbum na Categoria é ‘Ninho de Vespa’, da Spok Frevo Orquestra, indicada a Melhor Grupo Instrumental.  Ainda nessa categoria, Vento em Madeira concorre como Melhor Grupo, além de estar indicado ainda como Revelação.

Ângela Maria e Cauby Peixoto concorrem como Melhores Cantores de Canção Popular, pelo CD que fizeram juntos, ‘Reencontro’, indicado a Melhor Álbum na categoria. Ainda em Canção Popular, o Monobloco também tem duas indicações: Melhor Álbum (‘Arrastão da Alegria’) e Melhor Grupo.
Vitor Ramil concorre em duas categorias, Melhor Cantor e Melhor Álbum de MPB (‘Foi no mês que vem’). Riachão está indicado a Melhor Cantor e Melhor Álbum de Samba (‘Mundão de Ouro’). Lula Queiroga concorre como Melhor Álbum de Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk (‘Todo dia é o fim do mundo’), disco indicado ainda a Melhor Projeto Visual (de Zé Mateus Alves).

 A categoria Regional tem dois artistas com duas indicações: Quinteto Violado e 3 Brasis  concorrem como Melhor Grupo e Melhor Álbum (‘Canta Gonzagão’ e ‘3 Brasis’, respectivamente).  Por fim, o projeto ‘Arca de Noé’ concorre como Melhor Álbum Infantil e Melhor Projeto Visual (de Adriana Calcanhotto e Fernanda Villa-Lobos).

Mais uma vez, o Rio de Janeiro é o estado com o maior número de indicações, 49, seguido de perto por São Paulo, com 17. A Bahia ocupa a terceira posição, com 11. Logo depois vem Pernambuco, com nove, e Rio Grande do Sul, com seis.

A Turnê

A partir de 15 de maio, a turnê itinerante do Prêmio da Música Brasileira percorrerá o Brasil com o patrocínio da Vale, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A estreia  será no próprio Rio de Janeiro, nos dias 15 e 16 de maio, no Theatro Municipal, seguida de São Luís (20/05), Belém (22/05), Parauapebas (25/05), Belo Horizonte (28/05), Vitória (31/05) e Corumbá (03/06).

Confira AQUI a lista completa dos indicados.

O Sistema de votação

O corpo de jurados de CDs é composto por 20 integrantes: Alê Yussef, Ana Costa, Blubell, Flávio Senna, Gilson Peranzzetta, Janot, Léo Leobons, Mário Adnet, Rodrigo Campos, Sombrinha, Vander Lee, Zé Renato, e os jornalistas Sérgio Cabral, Mauro Ferreira, Antônio Carlos Miguel, Guilherme Rondom, Leonardo Lichote, Lauro Lisboa Garcia, Bernardo Araújo, além do próprio José Maurício Machline. Para analisar a categoria DVD foram escolhidos seis jurados: José Maurício Machline, Giovanna Machline, Antonio Carlos Miguel, Leonardo Lichote, Janot e Alê Yussef. Os três mais votados em cada categoria são indicados ao Prêmio da Música Brasileira.

Todos tiveram acesso a um sistema de votação 100% informatizado. Através do site, os jurados ouviram os trabalhos concorrentes, obtiveram as informações detalhadas sobre cada lançamento e puderam votar. O júri é formado ainda por músicos, o que permite que um integrante seja também um concorrente. Neste caso, ele não vota na categoria da qual participa.

Para eleger os finalistas, o júri fez uma pré-seleção de 388 CDs e  54 DVDs dentre os 799 CDs e 88 DVDs recebidos, incluindo tanto os trabalhos de gravadoras nacionais e multinacionais quanto aqueles distribuídos de forma independente ao longo de 2013 em todo o país. O foco não é apenas os lançamentos em CD, mas também nos novos formatos e configurações da indústria, como mp3s, downloads, etc.

O Prêmio da Música Brasileira possui um Conselho Deliberativo, que determina as regras, define o júri e o homenageado de cada edição. Ele é composto pelos músicos Gilberto Gil, Yamandu Costa, João Bosco,  Wanderléa, Arnaldo Antunes,  o jornalista Antônio Carlos Miguel, além do idealizador do Prêmio, José Maurício Machline.

Desde o ano de sua criação, quando homenageou Vinicius de Moraes, o Prêmio enaltece um artista brasileiro, que serve como fonte para o roteiro e repertório do show da cerimônia de entrega. Já foram homenageados, pela ordem, Dorival Caymmi, Maysa, Elizeth Cardoso, Luiz Gonzaga, Ângela Maria & Cauby Peixoto, Gilberto Gil, Elis Regina, Milton Nascimento, Rita Lee, Jackson do Pandeiro, Maria Bethânia, Gal Costa, Ary Barroso, Lulu Santos, Baden Powell, Jair Rodrigues, Zé Ketti, Dominguinhos, Clara Nunes, Dona Ivone Lara, Noel Rosa, João Bosco e Tom Jobim.
 
 Sobre A Vale

Para a Vale, mineradora presente nos cinco continentes, este patrocínio está em linha com sua política de apoio às manifestações culturais das regiões onde atua. No Brasil, a Vale é um importante agente de estímulo à cultura, associando sua marca a projetos que utilizam a arte para sensibilizar e formar públicos, oferecer diversão e também conhecimento.   
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!