Apoteose treme com metal de Black Sabbath e Megadeth

Por Emanuelle Valles

Ozzy Osbourne mostrou que ainda tem fôlego (Foto: Néstor J. Beremblum / Divulgação)

No último domingo (13), a Apoteose, no Rio de Janeiro, foi o palco do metal das bandas Megadeth e Black Sabbath. Para os entusiastas e fãs, foi uma noite inesquecível – afinal, estar diante da maior banda de heavy metal, com sua formação (quase) original e em sua primeira turnê dentro do Brasil – é algo realmente fantástico e imperdível.

Com um público estimado em 35 mil pessoas, a Apoteose tremeu ao som do trash metal do Megadeth, banda que abriu a noite. Dave Mustaine, Shawn Drover (bateria), David Ellefson (baixo) e Chris Broderick (guitarra) fizeram um show intenso, com muita empatia e respeito ao publico, digno de ser apreciado, tanto para quem já é fã, quanto para aqueles que ainda não conheciam a banda.



(Foto: Néstor J. Beremblum / Divulgação)

O fenômeno

Às 20h10, o público pôde entrar em delírio ao ouvir a sirene que prenunciava a entrada do Black Sabbath com ‘War Pigs’. Em 40 anos de carreira, esta é a primeira turnê da banda no Brasil, com sua formação quase original, composta por Ozzy Osbourne (voz), Tony Iommi (guitarra), Geezer Butler (baixo) e pelo bateirista Tommy Clufetos, que substituiu com maestria Bill Ward, que não quis participar do novo álbum "13", que fez Ozzy retomar aos palcos com a banda.

(Foto: Néstor J. Beremblum / Divulgação)

“Are you f*** crazy” e “Can’t hear You” eram as frases que os fãs mais ouviram do irreverente e entusiasmado Ozzy, que relembrou um dos episódios mais marcantes de sua vida – quando mordeu um morcego de verdade – mordendo um morcego de plástico jogado por um fã. Esta irreverência e seu vigor físico foram marcas registradas de toda a noite, onde ele demonstrava muita alegria, seja jogando água na galera, seja chutando uma bola de futebol jogada também por um fã, seja ajoelhando para Iommi, em reverência ao amigo.

Formanda em 1968, Black Sabbath surgiu em Birmingham, Reino Unido. Embora às vezes seja classificada como uma banda de hard rock (Butler definiu o estilo uma vez como sendo "um blues pesado e distorcido"), Black Sabbath é considerada uma das bandas pioneiras no heavy metal, tendo influência crucial no desenvolvimento e definição do estilo. Desde a sua formação, foram vendidos mais de cem milhões de cópias dos álbuns.

(Foto: Néstor J. Beremblum / Divulgação)

Com mais de duas horas de show, o setlist foi o mesmo dos shows de São Paulo e Porto Alegre, cheio de sucessos como “Black Sabbath”, “Snowblind”, “Children of The grave” e outros.

Destaques
Quem também se destacou foi o baterista Tommy Clufetos, que manteve o pique e a empolgação da galera com um solo extremamente bem feito e psicodélico (como um amigo definiu) para que os demais integrantes retomassem o fôlego. Indescritível a sensação de ter participado deste momento único.

Após, Ozzy avisou que cantaria apenas mais uma canção mas, se todos pedissem de forma muito louca, cantariam mais. Assim, o publico ouviu "Children of the Grave", o tradicional "Thank you! Good night! God bless you all". Depois de sua saída protocolar, ele mesmo puxou o coro de “one more song”, onde o chão tremeu na volta, com “Paranoid”. Certamente, um show para marcar a história.

(Foto: Néstor J. Beremblum / Divulgação)

Setlist do show:

"War Pigs"
"Into the Void"
"Under the Sun" / "Every Day Comes and Goes"
"Snowblind"
"Age of Reason"
"Black Sabbath"
"Behind the Wall of Sleep"
"N.I.B."
"Fairies Wear Boots"
"Rat Salad"
"Iron Man"
"God Is Dead?"
"Dirty Women"
"Children of the Grave"

Bis
"Paranoid" (com a introdução de "Sabbath Bloody Sabbath")

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!