Aerosmith faz show ‘Apoteótico’ debaixo de chuva no Rio

Por Emanuelle Valles


Steve Tyler ousou em sua apresentação (Foto: Divulgação)


O samba deu lugar ao rock na última sexta-feira (18), na Apoteose, no Rio de Janeiro. Após seis anos, o Aerosmith desembarcou na Cidade Maravilhosa e arrastou uma multidão ao principal palco do carnaval carioca. Mesmo debaixo de chuva, a banda norte-americana mostrou por que continua sendo um fenômeno mundial, mesmo após mais de 40 anos de formação. Os fãs cariocas foram o destaque do show, que fez parte da turnê “The Global Warming World Tour”. Com direito a efeitos especiais, a apresentação foi, de fato, “apoteótica”.

Você foi ao show do Aerosmith? Mande sua foto para o Contracenarte!

Quem abriu a noite foram os britânicos Whitesnake, que pontualmente começaram às 21h. Confesso que foi uma grande batalha manter-se de pé em meio ao temporal, que começou por volta das 19h40. e que deixou todo o público ensopado. Porém, a energia e vitalidade do sexteto comandado por David Coverdale, ex-vocalista do Deep Purple, esquentou a galera. Coverdale mostrou muita disposição, alegria e competência vocal, provando que a sua voz não foi comprometida (em 2009 ele fez uma cirurgia nas cordas vocais). Os fãs do Aerosmith aprovaram.

(Foto: Divulgação)

Com seu figurino típico: camisa branca, com o símbolo da banda (desta vez em verde e amarelo - em alusão à nossa bandeira), calças jeans apertadas e sua irreverência de sempre, David Coverdale já começou bem com “Give Me All Your Love”, seguida por “Ready An' Willing” e um dos hits “Love ain’t no stranger”. Sucessos como “Is this love”, “Fool for your lovin”, “Here I Go Again” e “Still of the Night”, foram lembradas, além dos covers do Deep Purple “Burn” e “Soldier of Fortune”. O público também fez a sua parte, e cantou os refrões e acompanhou o grupo.

Formada no fim da década de 70, a banda Whitesnake é formada por David Coverdale (vocal e guitarra), Doug Aldrich (guitarra principal), Reb Beach (guitarra), Michael Devin (baixo) e Tommy Aldridge (bateria), que juntos elevam o hard rock a um patamar jamais alcançado por outra banda do Reino Unido. Em 2005, o Whitesnake foi nomeado pela VHI uma das maiores bandas de hard rock de todos os tempos. Já em 2008, depois de 11 anos sem um álbum exclusivamente de inéditas, Whitesnake lançou o aclamado Good To Be Bad.

(Foto: Divulgação)

A irreverência de Steven Tyller
Após uma pausa, a chuva voltou com tudo, mas mesmo assim não diminuiu a vontade do público em ver e interagir com os seus ídolos. Valeu a pena. O Aerosmith não fez feio. Às 21h10m, Steven Tyller subiu ao palco ao lado Joe Perry e Brad Whitford nas guitarras, Tom Hamilton no baixo e Joey Kramer na bateria, e estremeceu as estruturas da Apoteose. Ícones, lendas vivas, ídolos, um fenômeno da natureza! Faltam palavras para descrever os membros e a banda, que permacece tão dinâmica e inovadora.

Conhecida como “a maior banda de rock and roll da America”, o Aerosmith tem seu estilo enraizado em um hard rock baseado no blues, além de incorporar elementos do pop, heavy metal e rhythm and blues. Com 15 álbuns no currículo, 150 milhões de álbuns vendidos e inúmeros prêmios, a banda carrega um nome que não precisa mais de quaisquer introduções. Mais uma vez, Steve Tyker mostrou sua irreverêncoa e chegou com sua voz potente e única, num figurino típico: calças coloridas, camisa de seda preta, óculos escuros e sobretudo.

(Foto: Divulgação)

Não demorou muito para ele espantar o frio da chuva com os sucessos “Back in the saddle”, “Love in an Elevator” e “Toys in the Attic”. Uma plataforma foi criada para que a banda pudesse ficar mais próxima da plateia que ficou na pista comum, o que gerou para aqueles que se sentiam longe da banda, privilegiados. Nem a chuva espantou Tyller e seu fiel escudeiro, Joe Perry, que estava super animado: “F*** a chuva!”, disse ele aos fãs, que responderam à altura, pois sabiam que aquela seria "a noite" inesquecível.

O beijo
Ousado, Tyler "refrescou" ainda mais a galera jogando água de uma garrafinha; mas este com certeza não foi o grande momento: no meio do show, na música "Walk this Way" ele chama uma fã e tasca-lhe um beijão daqueles de tirar o fôlego! Bon Jovi que se cuide, pois ele foi beeem mais caliente na sua investida!

(Foto: Divulgação)

O momento mais aguardado com certeza foi quando a plateia pôde ouvir ‘I don’t want to miss a thing’, hit contagiante e que com certeza fez muita gente chorar ao presenciar este momento ao vivo. Outros grandes hits (difícil classificar o que é hit, pois o Aerosmith é uma banda especial neste quesito - de músicas que marcaram época), mas citarei algumas: "Dude (Looks Like a Lady)", "Cryin'" e "Jaded".

A banda ainda arriscou um cover de "Come Together", dos Beatles. Antes do bis, a grande surpresa de assistir Steven tocando piando enquanto cantava "Dream On", Sweet Emotion’ e ‘Crazy’. Ainda tivemos ‘Train kept a-rollin'. Após 2h de show, os fãs deixaram a Apoteose com um gostinho de “quero mais”. Depois do Rio de Janeiro, o Aerosmith se apresenta na quarta-feira (23), em Brasília, no Estádio Nacional.

(Foto: Divulgação)

Confiram o setlist do show:

Back In The Saddle
Love In An Elevator
Toys In The Attic
Oh Yeah
Janie's Got A Gun
Dude (Looks Like a Lady)
Rag Doll
Cryin’
Last Child
Jaded
Stop Messin
What It Takes
Livin’ On The Edge
I Don’t Want To Miss A Thing
No More No More
Come Together
Walk This Way

Encore:
Dream On
Sweet Emotion
Mama Kin
Crazy
Train Kept A Rolling

Serviço:

“Aerosmith em Brasília”

Data: 23 de outubro
Local: Estádio Nacional
Classificação etária: 16 anos
Horário de abertura dos portões: 19h
Horário do show: 21h
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!