'Foi uma Disneylândia gravar esse longa', diz Paulo Gustavo sobre 'Minha Mãe é uma Peça – O Filme'

Por Rodrigo Vianna


Paulo Gustavo (no centro) e elenco de "Minha Mãe é uma Peça - O Filme" (Foto: Rodrigo Vianna/Contracen@rte)

A poucos dias da tão aguardada estreia de “Minha Mãe é uma Peça – O Filme”, o ator e humorista Paulo Gustavo confessa estar ansioso e nervoso pela reação do público. Durante a premiére do longa, baseado na peça homônima, na noite de segunda-feira (10), Paulo Gustavo reuniu famosos e todo elenco no Cinemark do Shoppinh Eldorado, em São Paulo, e falou sobre as gravações e a história. Com elenco formado apenas por amigos, o ator comparou as filmagens com a Disneylândia e disse que foi um processo divertido, mas de muito trabalho, que durou cerca de 5 semanas. Ao Contracen@rte, o ator confirmou a sequência do longa para 2014.

“É tanto tempo de atuação que no Dia das Mães recebi até telefonemas de parabéns. A gente ficou sete anos em cartaz no teatro e depois quando a gente foi assistir ao filme 'Divã', com a Lilia Cabral, eu tive a ideia, porque 'Divã' também saiu do teatro, foi uma adaptação de texto feito basicamente para o teatro, ai eu conversei com a Iafa (Britz, produtora), e ela achou um máximo. E assim surgiu a ideia de gravar esse longa. No teatro é um monólogo, e no cinema os personagens ganham vida. Foi divertidíssimo fazer esse filme, gravar com os meus amigos, foi uma Disneylândia gravar esse longa”, disse o ator aos jornalistas.

Adaptação da peça que já levou milhares aos teatros pelo Brasil, "Minha Mãe é uma Peça" acompanha Dona Hermínia (Paulo Gustavo), uma mulher de meia idade, aposentada e sozinha, que tem como preocupação maior procurar o que fazer. Para uma mãe dedicada a preocupação com os filhos é sempre uma ocupação, mas os filhos de Dona Hermínia cresceram, e ela está entediada. Sem um trabalho ou um companheiro, a nada simpática Dona Hermínia passa seu tempo desabafando com a tia idosa, a vizinha fofoqueira e a amiga confidente.

A personagem nada caricatural quanto aos humores, gostos e ataques femininos repetirá as gargalhadas nas telas do cinema. Além disso, ela vive uma relação atribulada com o ex-marido.

O Contracen@rte conferiu em primeira mão esse longa que promete ser um sucesso de bilheteria. E posso prever: o filme será mais um sucesso de bilheteria. Não que ele seja digno de um Oscar ou Palma de Ouro, mas por se tratar de uma comédia de qualidade, com atores talentosos e humor aguçado. Apesar de uma história um pouco morna e cheia de lugares comuns, “Minha Mãe é uma Peça – O Filme” consegue arrancar boas gargalhadas da plateia.

Parceria
Paulo Gustavo está na sua melhor forma, e conseguiu levar a Dona Hermínia com maestria para as telonas. Ao seu lado, ele tem o amigo e diretor André Pellenz, que também comanda o programa “220 Volts”, estrelado por Paulo Gustavo e exibido pelo canal Multishow, há três temporadas. O entrosamento com o comediante valeu o convite para dirigir seu primeiro filme. Na premiére, ele comparou a Dona Hermínia com a mãe de Paulo Gustavo, na qual é inspirada, e revela que a vida de Hermínia tem uma reviravolta no longa. Aliás, a mãe do humorista faz uma participação especial no longa, uma cena a mais que vale a pena ficar ate o fim dos créditos.

(Foto: Divulgação)

“Fizemos uma adaptação na história, mas mantivemos a essência. O filme começa com a Dona Hermínia saindo de casa, chateada com os filhos. Vai esfriar a cabeça na casa de uma tia e começa a repensar a vida. Até que uma entrevista concedida a uma emissora de TV provoca uma grande reviravolta na vida dela. Há flashbacks em que vemos o passado dela. Vemos a Dona Hermínia sofrendo, em momentos difíceis e em outros, alegres. Então, ela ganha nuances”, disse o diretor, que completou: “A escolha dos atores foi decisiva para a definição dos personagens”.

Dupla dinâmica
Ainda sobre o elenco, destacamos a atuação da dupla de atores Mariana Xavier e o Rodrigo Pandolfo, que interpretam Marcelina e Juliano, os filhos da Dona Herminia. De acordo com o diretor André Pellenz, os dois personagens tiveram o perfil definido antes mesmo de buscarem os atores. Amigo de Paulo Gustavo quando estudavam na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL), no Rio, o ator Rodrigo Pandolfo rende uma das melhores cenas do filme, quando sozinho no quarto ele faz dança em frente ao espelho usando apenas um maiô. Rodrigo faz o filho gay da Dona Hermínia e considera o seu personagem o mais irreverente.

(Foto: Divulgação)

“O Juliano está no meio, ele não é o pior, nem mais o certinho dos filhos. Ele é o mais irreverente e o que ela tem o carinho maior, porque é o filho mais sensível, que tem um carinho maior com ela. Depois de ouvir dos filhos que gostariam de morar com a madrasta, a mãe foge de casa e deixa os filhos sozinhos, e a gente vai enlouquecendo, vai atrás dela, até que a gente acha e acaba tudo bem no final. Eu conheci o Paulo na Cal, então a gente se acompanha desde 2003, vi a estreia de Minha Mãe é uma Peça no teatro, e de lá pra cá a gente nunca parou de se falar. O Paulo é uma figuraça, então sempre que podia, ele improvisava”, disse Rodrigo.



Assista no player acima ao trailer de "Minha Mãe é uma Peça - O Filme"

Ação
Antes de entrar na sala de cinema para a primeira exibição de “Minha Mãe é uma Peça – O Filme”, Paulo Gustavo mostrou nervosismo: “Eu estou mega nervoso. Eu acho que vai dar super certo, acho que todo mundo tem essa figura dentro de casa, se não é a mãe, tem uma avó, uma tia. Eu acho então que o povo brasileiro vai super se emocionar, a história é uma homenagem às mães, mas também à família, é um filme para todas as idades”, disse ele, que adiantou: “Já tem o pedido do 2, a gente vai fazer ano que vem e nesse vai ter com certeza a Luana Piovani, que não pôde fazer o um, se bombar muito vai ate a Angelina Jolie”.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!