Marco Nanini estrela monólogo sobre como pedir aumento

(Foto: Divulgação)

No palco, um homem apresenta um organograma - tão complexo quanto irônico - sobre as possibilidades de sucesso e fracasso na angustiante missão de pedir um aumento no salário. Nos bastidores, um diretor e um ator comemoram 25 anos de parceria. Com dezenas de êxitos na televisão, no cinema e no teatro, Marco Nanini e Guel Arraes levam para o palco o espetáculo "A arte e a maneira de abordar seu chefe para pedir um aumento", texto do francês Georges Perec (1936-1982). A montagem, que teve sua estreia em setembro de 2012, chega ao Teatro Galpão Gamboa, através do projeto Gamboavista 2, no dia 15/03 (sexta), com apresentação também no dia 16/03 (sábado). A produção é de Fernando Libonati.

"É algo totalmente diferente do que estamos acostumados a fazer. O texto não tem narrativa, não existe uma história clássica, mas tem aquilo que sempre nos ligou: o humor", analisa Guel, em seu terceiro projeto teatral com Nanini, depois de "O burguês ridículo" (1996) e "O bem amado" (2007). "É como se a gente tirasse um tempo para respirar, experimentar e, desta forma, comemorar os anos de trabalho", reitera o ator, de volta aos palcos após o sucesso de "Pterodátilos" (2010).

(Foto: Divulgação)

Em uma espécie de palestra de autoajuda - ou, como melhor define o diretor, antiajuda - o protagonista apresenta um intrincado manual combinatório de probabilidades para a hora em que vai procurar o seu chefe e pedir o esperado aumento. No decorrer das muitas tentativas, o texto sublinha o ridículo da situação e, ao retratar os meandros de uma grande empresa, ironiza a vida moderna e o mundo corporativo.

Guel, Nanini e Perec
A itinerância da montagem vai ao encontro de uma proposta que também marcou o trabalho de Guel e Nanini em outras épocas: a de apresentar ou mesmo popularizar autores e obras da literatura brasileira e mundial. Foi assim com uma série de textos da série "Terça nobre", como "O alienista" (Machado de Assis) e "O coronel e o lobisomem" (José Cândido de Carvalho), além de filmes como "Lisbela e o prisioneiro" (Osman Lins) e "O auto da compadecida" (Ariano Suassuna).

A primeira incursão teatral da dupla, "O burguês ridículo", trazia uma adaptação de textos de Molière e, além do grande sucesso de público, rendeu os prêmios Sharp de Melhor Ator e Melhor Espetáculo e também o Mambembe de Melhor Espetáculo. Mais recentemente, Guel assumiu a produção artística de "O Bem Amado", que recuperou a obra teatral original de Dias Gomes, deu a Nanini o Prêmio APCA de Melhor Ator e originou um longa homônimo.

Para Guel, "A arte e a maneira de abordar seu chefe para pedir um aumento" (1968) é a obra cujo autor é o mais desconhecido de todos que já montou o adaptou. Encenado pela primeira vez no Brasil, Georges Perec fazia parte do grupo francês Oulipo, de escritores que criavam suas obras a partir de restrições técnicas. Tal experimentalismo o permitia criar um intenso jogo de palavras em todos os seus textos.

Serviço:

"A arte e a maneira de abordar seu chefe para pedir um aumento"

Datas: 15 e 16/03 (sexta e sábado)
Horário: 21h
Local: Galpão Gamboa - Teatro, Rua da Gamboa, 279 - Centro - RJ
Capacidade: 80 lugares
Telefone: (21) 2516-5929
Classificação etária: 12 anos
Duração: 60 minutos
Ingressos: R$20 (inteira) / R$10 (meia) para estudantes e idosos/ R$5 para moradores dos bairros da Zona Portuária apresentando comprovante de residência.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!