Famosos conferem estreia do musical "Mônica Mundi" e festejam 50 anos da turminha mais querida do Brasil

Por Esdras Sottnas

Maurício de Souza e os filhos Mônica e Mauro com a Turma da Mônica (Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

O aconchegante e bem localizado Theatro Net Rio, em Copacabana, foi o palco escolhido na tarde ensolarada deste domingo (3) para comemorar o aniversário de 50 anos da personagem em quadrinhos mais famosa e amada do Brasil, a Mônica, a baixinha e dentuça criada por Maurício de Sousa. E também para apresentar ao público do Rio de Janeiro o espetáculo “Mônica Mundi – Uma volta ao Mundo com a Turma da Mônica”, um musical cheio de cores e alto astral que mexeu com a emoção dos convidados, independente da idade era nítida a felicidade de todos no local. E, é claro, que nós do Contr@cenarte estávamos lá.

No palco, Mônica, Cebolinha, Magali, Cascão, Chico Bento e Jeremias convidam o público para conhecer as culturas de diferentes países, como Itália, Portugal, França e também das Arábias e da África, exaltando a harmonia entre os povos. Brincando com a imaginação, o espetáculo leva crianças e adultos a viajarem de jipe, navio e avião nessa divertida volta ao mundo com os personagens mais queridos do país. Na trilha sonora há doze músicas, que abordam as culturas desses lugares. No fim da apresentação, a turminha mostra as coisas típicas do Brasil.

(Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

O evento para convidados foi repleto de famosos de diversas gerações, desde o juvenil ator Matheus Costa, sempre sorridente com todos, até a veterana atriz Rosa Maria Murtinho, que fez questão de levar as duas netas e a nora para prestigiar a estreia:"A Mônica é uma personagem atualizadíssima, eu vim prestigia-la, pois amo o trabalho do Maurício de Sousa”, disse ela em tom de comemoração pela agitada tarde no Teatro.

A atriz Rosamaria Murtinho (Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

“Mônica é herança cultural”, diz Dira Paes
Assim como Rosa Maria Murtinho, a colega de profissão Dira Paes, aproveitou o dia de folga das gravações da novela “Salve Jorge”, da TV Globo, para ir ao aniversário da Mônica, ao lado do filho Inácio, e foi com tom de orgulho que falou sobre o evento e exaltou a obra de Maurício de Sousa: “Gosto de todos os personagens, o espetáculo foi maravilhoso, o Maurício é maravilhoso. A Mônica é uma herança cultural, meu filho, ama o Cebolinha” disse a atriz.

 A atriz Dira Paes (Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

E não parava de chegar famosos, a atriz Beth Goffman também levou as filhas gêmeas Alice e Helena de apenas 2 anos. O ator Cássio Reis e o pequeno Noah, de 5 anos, do seu relacionamento com a atriz Danielle Winits,  também prestigiaram a Turma da Mônica: “Trouxe o meu filho e assim como eu, ele achou o máximo”, disse Cássio. 

A inspiração
Mônica de Sousa, filha e inspiração para Maurício de Sousa criar a personagem, era só sorriso. Quando perguntada que presente daria a ela na versão em quadrinhos, destacou: “Desejo que a Mônica continue representando a força, energia e alegria defensora das mulheres”.

Mônica de Souza (Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

A atriz Cláudia Mauro, que levou os filhos gêmeos Pedro e Carol, de 2 anos, e o sobrinho Rafael, de 4, filho da cantora Patrícia Mauro, se disse admirada com a qualidade do espetáculo "Muito lindo, tudo perfeito".

Outros famosos também prestigiaram a aniversariante como o artista plástico Daniel Azulay, a atriz Mônica Martelli, o ator Luka Ribeiro, a diretora de telenovelas Amora Mautner e sua filha Júlia. A jornalista e apresentadora Glória Maria levou suas herdeiras Laura e Maria, que estavam animadas e distribuíram simpatia e sorrisos para os fotógrafos e fãs presentes.

A apresentadora Glória Maria (Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

“Amei”, “gostei”, “bom demais” e “excelente” eram os sinônimos mais comuns usados pelo público durante o espetáculo, que antes mesmo de iniciar ou acabar cada música cantada pela Turma da Mônica, aplaudiam com entusiasmo o que viam. Como todo aniversário no final, todos queriam registrar o momento e tirar fotos com a aniversariante e, claro, comer um pedaço de bolo, todos os 700 convidados tiveram seu momento de fã e puderam assim fazer. Tirar foto e comer bolo não era o fim do espetáculo e sim um sinal de que a festa estava apenas começando. 

Consagração
O espetáculo agradou ao público, que aos gritos e assobios exaltava os personagens. Como toda estreia, houve momentos de deslizes, como na iluminação, porém nada que tirasse o brilho da tarde. “Vamos ter que fazer alguns ajustes, mas hoje é uma noite de festa”, comemorou Mauricio de Sousa. Talvez o fato de humildemente reconhecer um erro, que nem todos perceberam, já deixa claro o porquê do sucesso tão fenomenal de sua mais famosa cria ter dado certo e chegado com louvor aos 50 anos.

“Mônica Mundi” é uma remontagem da “Festa das Nações”, do extinto Parque da Mônica, e apresenta novo roteiro, figurino e números que fazem do espetáculo uma divertida experiência musical. São 12 músicas que celebram as características das distintas nações visitadas no musical, contando suas tradições, e inspiradas nos ritmos de cada um desses países.

Quem está à frente dessa empreitada é Mauro Sousa, filho de Maurício de Sousa (foto acima). Mauro é o diretor e produtor, ele estava nas nuvens e falou ao Contr@cenarte com entusiasmo: "Estou realizado demais, nós idealizamos e planejamos esse momento durante os últimos dois anos e hoje vivemos este sonho", disse ele.

Celebração das diferenças culturais
Com músicas que exaltam com a mesma importância a amizade, o respeito às diferenças e a igualdade entre os povos e nações, o espetáculo é um presente para as crianças e também para os adultos, muitas vezes reféns de contos de fadas e duelos entre o bem e o mal das peças de teatro infantil muitas vezes em cartaz. E este é o triunfo de “Mônica Mundi - Uma Volta ao Mundo” com a turma da Mônica. Não há uma luta entre o bem e o mal, o que há de fato é um desafio ao público, que hoje em dia convive, em sua grande maioria, ávido e refém pelas maravilhas da tecnologia atual.

(Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

A grande sacada de Mônica e sua turma é levar o público a imaginar como seria viajar pelo mundo e descobrir novas culturas, línguas e costumes. Brincando com eles através de cada canção onde os valores de lealdade entre amigos, harmonia entre as raças e a paz entre as nações são exaltados. Nos 60 minutos de espetáculo dividido em dois atos de 30 minutos cada, o que se vê é um show de criatividade, não há números extraordinários de lâmpadas coloridas e luzes em neon, como nos espetáculos da Broadway, mas há uma mensagem que todos entendem e estão carentes nos textos atuais, o amor e a paz entre todos os povos. 

Viagem cultural
Apesar de muitos falarem desses temas, “Mônica Mundi” é o único musical brasileiro com fôlego para atrair e manter um público cativo e entusiasmado, pois em um cenário com apenas dois sofás, o que dá a ideia da sala de visita da casa de qualquer um de nós, é de onde somos arrebatados pelos personagens e chamados a embarcar em uma maravilhosa aventura. Os personagens nos fazem cantar, sorrir e celebrar as diferenças e riquezas que existem ao redor do mundo. Mas também não deixam de lado os principais elementos que nos deixam tão próximos deles, brincar com os quilinhos a mais da Mônica, a careca do Jeremias, o medo de água do Cascão, a fome exagerada da Magali, a forma "ellada" de falar do Cebolinha e o caipirismo do Chico Bento.

(Foto: Juliana Ferreira/Contracen@rte)

Em tempos de politicamente correto mostrar as brincadeiras com as qualidades e defeitos de cada um deles é um presente e tanto. A criação musical de Márcio Araújo é espetacular. Que os 50 anos da famosa personagem possa fazer com que esse espetáculo seja visto por diversos brasileiros, independente da cor, raça ou religião, pois se depender do clã Sousa, a festa de aniversário não acabará nunca. 
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!