“A Hora Mais Escura”: O perfeito espetáculo da tensão

Por Francisco Carbone


Cena de "A Hora Mais Escura" (Foto: Divulgação)

O tempo passa e as coisas mudam… Há 3 anos eu e Kathryn Bigelow “vivíamos um dilema na nossa relação”. Admirador confesso do seu trabalho, tinha chegado o momento de sua consagração depois de tantos anos. Eu havia assistido ‘Guerra ao Terror’ meses antes e somente na terceira visita consegui pegar sua pujança, mas ainda assim eu acompanhava a derrota de Quentin Tarantino e seu opus ‘Bastardos Inglórios’ com amargura. Pois bem, Tarantino e Bigelow estão juntos na disputa de novo, porém as coisas não são como antes.

Desprezados, ambos estão em momentos distintos da corrida: rei nas bilheterias, o diretor de ‘Pulp Fiction’ deve sair da festa com uma certa consagração, já que o Oscar de roteiro se encaminha para as mãos dele; já ela parece ainda marcada com o símbolo ‘a primeira mulher a ganhar o Oscar de direção’, e no meio das polêmicas que a imprensa americana criou, a Academia se acovardou e deixou pra escanteio ‘A Hora Mais Escura’, seu novo e infinitamente superior filme, sobre a caçada a Osama Bin Laden.

(Foto: Divulgação)

A verdade é que o ‘timing’ do Oscar geralmente é péssimo, e a culpa tb geralmente é deles. Às vezes premiam antes do merecido, às vezes depois, o negócio raramente é na hora certa. Se Tarantino já devia ter muitos Oscars na estante, esse poderia ser o ano finalmente da primeira mulher vencedora, e Ben Affleck que esperasse um pouco mais pra sua vitória (até porque ele chegou no ônibus agora, e já vai sentar na janela). Méritos sobram para uma vitória de Bigelow, já que sua produção é um dos melhores filmes-reportagem que já vi. 

O roteiro absurdo de bom (a cargo de Mark Boal, outra vez) é de uma precisão cirúrgica que segue fatos e situações de quase 10 anos pré-descoberta do esconderijo do denominado ‘homem mais perigoso do mundo’. Emparelhando cenas de impacto e surpreendentes até chegar aos últimos 30  minutos mais angustiantes  do nosso tempo, Boal e Bigelow construíram juntos um espetáculo de tensão.

O filme acaba focando todas as neuroses americanas do pós-guerra e problemáticas em relação aos captores na figura única de Maya, a mulher-cabeça das operações, muito jovem e a princípio despreparada para o campo de ação. Depois de tantos anos observando sessões de tortura e de mergulhar sem rede de proteção na investigação e perseguição a um possível informante do líder terrorista (que pode ou não existir e estar vivo), Maya trocou sua postura quase assustada da chegada no Oriente Médio para uma visão mais pragmática e bem direta, com as perdas que vai tendo durante os anos e o endurecimento gradativo de sua carapaça.

(Foto: Divulgação)

Graças a interpretação irretocável de Jessica Chastain, a personagem tá inteira na tela mesmo sem verbalizar coisa alguma, em momento algum. Zero explicativa, a personagem dá um baile no roteiro de ‘Guerra ao Terror’ inteiro. E não apenas Chastain brilha, como todos os coadjuvantes, em especial Jason Clarke e Jennifer Ehle; enfim, um elenco de  sonho, atuações poderosas e um grupo muito coeso. Tecnicamente, o filme é perfeito, a montagem da dupla William Goldenberg e Dylan Tichenor é hipnótica, e a fotografia de Greig Frasier é absolutamente perfeita. O comando de Kathryn Bigelow é irretocável, uma verdadeira aula de comando e concisão, num dos filmes mais importantes do ano.

Cobertura especial "Oscar 2013"
O carnaval já passou, agora, o mundo inteiro está com os olhos voltados para o “Oscar 2013”, a maior festa do cinema. A cerimônia de entrega das estatuetas mais cobiçadas pelas cineastas será realizada no dia 24 de fevereiro, em Los Angeles (EUA). A expectativa cresce a cada dia e todos fazem as suas apostas. Para o maior prêmio da noite, nove longas disputam na categoria Melhor Filme. Tem espaço para tudo, desde ficção científica a musical. O Contrancen@rte não poderia ficar de fora dessa festa.


 O Contracen@rte montou um time de peso que até o dia 24 vai comentar um dos nove indicados na categoria Melhor Filme. É com grande prazer que recebemos os jornalistas Manuela Musitano e Francisco Carbone, e o publicitário Alessandro Cadarso. Será deles a responsabilidade de comentar sobre os filmes “Argo”, “Lincoln”, “Os Miseráveis”, “A Hora Mais Escura”, “Amor”, “Django Livre”, “Indomável Sonhadora”, “O Lado Bom da Vida” e “As Aventuras de Pi”. Para isso criamos uma página especial que pode ser acessada aqui ou no menu na parte superior do site.

Além das resenhas, o Contracen@rte também vai trazer as últimas informações sobre o Oscar 2013 e tudo que acontecerá nessa grande festa! Infelizmente o Brasil não terá um representante na plateia, mas todos nós já escolhemos os nossos favoritos e vamos torcer juntos. Na noite de entrega das estatuetas, a nossa equipe de arteiros estará de plantão para trazer todas as informações para você. Nossas páginas nas redes sociais (Twitter, Facebook e Instagram) vão trazer cada detalhe minuto a minuto. O tapete vermelho já foi estendido e o nosso convidado especial é você!
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!