"Répétition" diverte com humor inteligente e intrigante

Por Rodrigo Vianna

Elenco de "Répétition" (Foto: Divulgação)

Uma comédia inteligente e intrigante. Assim é “Répétition”, espetáculo dirigido pelo mestre Walter Lima Jr., que estreou no dia 18 de janeiro, no Espaço Sesc Copacabana, no Rio de Janeiro. Com Roger Gobeth, Tatiana Trinxet e Alexandre Varella no elenco, a peça fala de amor, desejos, ciúme, casamento, ficção, realidade, traição, fantasia e amizade confundindo o espectador entre ficção e realidade enquanto os atores se confundem com as palavras, texto, gestos e principalmente com as questões de suas personagens por medo de confrontá-las.

De forma simples e despretensiosa, “Répétition” consegue prender o expectador pelo humor, sem ser caricato, com situações comuns ao dia-a-dia. O Contracen@rte marcou presença na sessão para convidados na quarta-feira (23) e conferiu de perto essa comédia que promete envolver o público numa divertida ciranda meta-teatral que acaba num triângulo amoroso. O espetáculo fica em cartaz na Sala Multisuso do Espaço Sesc Copacabana até 17 de fevereiro, sempre às sextas e sábados, às 20h, e domingo, às 18h. Os ingressos custam R$ 20.

(Foto: Divulgação) 

“Répétition” é, ainda, uma comédia instigante. O texto de Flávio de Souza envolve uma peça, um ensaio e um romance, não nesta ordem. Contada em páginas de uma peça de teatro, o espetáculo confunde o espectador entre ficção e realidade. Dinho/Fernando (Roger Gobeth), Laura/ Silvia (Tatiana Trinxet), Luis/Marcelo (Alexandre Varella) se confundem com as palavras, com o texto, com os gestos e principalmente com as questões de suas personagens, que muitas vezes são suas, mas por medo de confrontá-las preferem deixá-las somente na cena.

O ensaio  como experimentação de conhecimento do texto, repetição sem fim... antes e durante o espetáculo... é a matéria prima que Flávio de Souza usa para erguer o seu texto. Autor de “Fica comigo essa noite” e o clássico infantil “Castelo Rá-Tim-Bum”, Flávio diz que para escrever “Répétition” foi influenciado por filmes como “Persona”, de Ingmar Bergman, “Oito e Meio”, de Fellini e “O Desprezo”, de Godard, e conclui: “Tudo que eu tinha a dizer sobre Répétition é dito pelos personagens entre a primeira e última fala”.

(Foto: Divulgação) 

A peça dentro da peça
Ao entrar na sala multiuso o público já identifica, de cara, a metalinguagem. Os três atores, no palco, realizam exercícios de aquecimento de corpo e voz. Se preparam para o espetáculo que está prestes a começar ou para o ensaio de da peça dentro da peça? Essa é a primeira questão. Porém, de forma rápida e clara, o espetáculo consegue transportar o expectador para dentro do universo dos três amigos atores. No palco, uma coxia, um mesa, duas cadeiras, uma cama e um vestido de noiva ao fundo. O casamento, aliás, é o tema principal que move esse triângulo amoroso.

O título do espetáculo não poderia ser mais oportuno. Como num ensaio, as cenas se repetem, sempre com um novo olhar, uma nova interpretação, e à medida que a história ganha forma, elas também passam a ser influenciadas e ajudam a contar a história real. Confuso? Não. É quando Flávio de Souza mostra o seu talento e nos cativa com um texto sedutor e de fácil entendimento. Claro, a interpretação do trio de atores ajuda muito. Destaque para Tatiana Trinxet, que aposta num olhar poético e consegue convencer sem ser forçada ou caricata.

(Foto: Divulgação) 


Trio maravilha
No palco, Tatiana vive Laura, que interpreta Silvia, uma mulher que sonha em ser pedida em casamento pelo namorado. A partir daí, Laura começa a botar em cheque seu relacionamento de 8 anos. Ela já mora junto com Dinho, mas sempre teve o sonho de entrar na igreja de véu e grinalda e os conflitos de sua personagem passam a fazer parte de sua vida. Confusa, Laura se envolve com Luis, amigo e colega de cena. Seja por fazer ciúme em Dinho, seja pelo simples prazer de trair, ela sente a necessidade de se sentir desejada.

Já Roger Gobeth, no papel de Dinho/Fernando, fez jus à sua experiência como ator, mas foi um pouco prejudicado pelo nervosismo, talvez pela estreia. O ator chegou a protagonizar boas cenas, que arrancaram risadas da plateia, mas pareceu perdido em alguns momentos. Parecia que tudo era ensaio, até mesmo quando o seu personagem saía do personagem. Ao trocar de papel na peça dentro da peça, ficou quase imperceptível notar se era o Fernando ou Marcelo, a não ser pelo texto. No entanto, ele conseguiu superar a tensão, e deu conta do recado.
(Foto: Divulgação) 

Por fim, Alexandre Varella e seus Luiz e Marcelo. Conhecido por sua atuação em espetáculos como “Bonitinha, mas Ordinária”, de Nelson Rodrigues, o ator consegue fazer o seu dever de casa e rouba a cena. Ele consegue conduzir o seu personagem de “amigo usado” com maestria e dá show de interpretação. É impossível não rir sempre que ele dizia “vocês querem que eu saia?” no meio de uma discussão dos amigos. Porém, ele também não escapou da tensão em algumas situações, mas nada que atrapalhasse o seu rendimento no espetáculo.

Frescor
Com equipe altamente qualificada, “Répétition” é montada pela 3ª vez após 12 anos da sua última montagem. As duas primeiras foram em 1994 (São Paulo) e 2001 (Rio de Janeiro), sendo ambas sucesso de público e crítica. Em suma, o espetáculo trata-se de um saboroso encontro de três intérpretes (ou seis) com a plateia que usufrui, atenta e emocionada, a segurança e eficiência com que eles conseguem promover mais de uma hora de comédia saudável.

(Foto: Divulgação) 


“Répétition” além das limitações de uma dramaturgia com começo, meio e fim, tem o frescor da descoberta e da invenção, louva o ator em seu processo de doação permanente, de entrega, de compromisso em buscar o outro dentro de si mesmo. Louva o teatro e abre ao público a possibilidade inteligente de vê-lo em seu nascedouro, o momento sagrado do ensaio.

O espetáculo
Durante quatro anos, o texto “Répétition” ficou na mesa de cabeceira de Tatiana Trinxet e sempre que passava por ali pensava: “ainda vou montar essa peça”. O projeto foi adiado por um longo período porque assim que conheceu a obra de Flávio de Souza, descobriu que estava grávida e resolveu dedicar-se integralmente à maternidade. Porém, ano passado, o bichinho do teatro a mordeu novamente e ela começou a produzir o primeiro espetáculo de sua produtora.

A partir daí, tudo foi dando certo: conseguiu patrocínio, Walter Lima Jr topou assinar a direção e os atores Roger Gobeth e Alexandre Varella caíram como uma luva nos papéis que interpretam. Para os personagens masculinos, Tatiana teve dificuldade em selecionar os atores. Ela entregou o texto para alguns amigos lerem, mas os papéis não se encaixavam ou não tinham conexão entre os dois, já que os atores precisavam parecer ter personalidades bem diferentes. Agora, a atriz não imagina o trio formado por outros “meninos”.

(Foto: Divulgação) 

Serviço:

“Répétition”

Local: Espaço Sesc Copacabana, Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana
Tel.: (21) 2547-0156
Temporada: De 18 de janeiro até 17 de fevereiro de 2013
Horário: Sextas e Sábados – Ás 20h , Domingos, 18h
Ingressos: R$ 20 ( Inteira ), R$ 10 ( Meia ) Para jovens até 21 anos, estudantes, classe artística e maiores de 60 anos, R$ 5,00 para associados.
Classificação: 14 anos
Duração: 70 min
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!