“Pout-PourRir 2” sai do óbvio e promove humor debochado

* Por Rodrigo Vianna

(Foto: Rodrigo Vianna/Contracen@rte)


Em tempos de “stand-up comedies”, encontrar um espetáculo de humor original e de qualidade ficou ainda mais difícil. Textos previsíveis e piadas passadas não agradam mais o público e promovem o silêncio no lugar das gargalhadas. “Pout-PourRir 2” veio para mudar esse cenário e revelar os maiores comediantes da atualidade. Humor debochado, com situações comuns do nosso dia-a-dia e um elenco de qualidade garante o sucesso do espetáculo, que foge do óbvio e proporciona deliciosos 70 minutos de pura comédia.

Leia também: “Pout-PourRir 2” revela novos talentos da comédia

Sucesso absoluto de 2007 a 2010, o espetáculo “Pout-PourRir” marcou uma geração e um novo estilo de fazer comédia, revelando os maiores comediantes da atualidade. Agora, os cariocas podem se divertir com novas histórias em “Pout-PouRir 2”, em cartaz até o dia 19 de dezembro, no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O espetáculo foi criado, escrito e dirigido por Afra Gomes e Leandro Goulart.

Como aconteceu na edição anterior, Afra Gomes e Leandro Goulart revelam novos talentos, levam novas participações especiais, e surpreendem ainda mais o público com textos e tipos totalmente inéditos. No novo elenco, Ricardo Klayn, Rosana Dias, Rafael Brits, Tamara Innocente, Rafael Rei e Marta Laurean registram magistralmente o que há de melhor no humor sarcástico, debochado e ferino, num único espetáculo.

(Foto: Rodrigo Vianna/Contracen@rte)

“Pout-PourRir 2” é formado por solos e duetos hilários, com personagens debochados, críticos e sarcásticos que circulam a todo instante ao longo da apresentação e vorazmente conquistam a simpatia e a admiração do público. Clívia Cohen é quem assina o cenário. O elenco teve preparação vocal com Cláudia Sampaio. A produção é de Rosana Dias e Lília Costa. A direção geral é assinada por Afra Gomes e Leandro Goulart.

De fada não convencional a Mestre dos Magos
A apresentação da noite de terça-feira (11) pode não ter lotado o Teatro Clara Nunes, mas isso não impediu que as risadas tomassem conta dos corredores do Shopping da Gávea. No palco, Rafael Brits encarna um velho contador de histórias, em sua cadeira de rodas e radinho de pilha na mão. Não demora muito para o público rir com as caras e bocas do personagem e contos um tanto curiosos como a do Chapeuzinho Vermelho. A voz arrastada e o ritmo da cena poderiam torna-la chata, mas o ator consegue conquistar o público aos poucos com os seus bordões.

(Foto: Rodrigo Vianna/Contracen@rte)

Em seguida, é a vez de Rosana Dias dar vida a uma fada madrinha não convencional. Com direito a asas e uma varinha em formato de um pênis, ela desconstrói a imagem inocente da personagem e brinca com situações famosas como a história da Cinderella. Rosana também é responsável por dar vida ao Mestre dos Magos (famoso personagem da animação “A Caverna do Dragão”) e a uma dona de casa, insegura com o casamento e que possui uma maneira digamos curiosa de cumprimentar as pessoas, dando selinhos quase intermináveis.

Altos e baixos
O destaque do espetáculo fica, sem dúvida, para a impressionante interpretação de Rafael Reis. O ator surge no palco em posição inusitada e conduz a cena com uma facilidade, que é praticamente impossível não rir com a situação. Ele retorna ao palco ainda na pele de um namorado e de um motorista particular. Mas sem dúvida, a cena em que ele propõe mudança do Shopping da Gávea para a Tijuca é quando ele dar o ar da sua graça. O seu andar desengonçado e a fala lenta ajudam a compor o personagem.

Um das cenas que mais chamou a atenção foi quando o ator Ricardo Klayn faz uma brincadeira com o filme “Central do Brasil”, de Walter Salles. O ator surge no palco na pelo do menino que pede ajuda a Dora (personagem de Fernanda Montenegro) para escrever uma carta. O elenco usa o mesmo áudio do filme para uma série de situações. Ricardo volta ao palco mais tarde para interpretar um outro menino, que conta uma história sobre um assassinato. A história longa e pouco convincente não favoreceram a cena, sendo esta um das mais fracas do espetáculo.

Outra cena que não chamou muito a atenção do público é a da patinadora de supermercado interpretada por Tamara Innocente. A ideia é até boa, da jovem que queria seguir uma carreira olímpica e acaba parando nos corredores de um supermercado, mas os gritos e o exagero nas falas tornaram o solo chato e sem atrativos. O figurino e o jeito desengonçado sobre os patins arrancaram alguns risos. Tamara também volta no fim do espetáculo interpretando uma filha patricinha.

Em “Pout-PourRir 2” o texto é o suporte fundamental; a emissão é econômica, dependendo mais do “timing” e dos trejeitos. Antes mesmo do início do espetáculo, a plateia já parecia ansiosa, certamente já se preparando psicologicamente para o que a esperava dentro de poucos instantes. A mistura das cenas e a variedade de situações são o bastante para todo mundo se pipocar de rir. Sem dúvida, é uma ótima sugestão para quem procura um bom momento para se divertir. O tempo do espetáculo poderia ser mais do que os seus 70 minutos, afinal, quando a história é boa o público sempre pede bis.


Ficha Técnica

Criado, Escrito e Dirigido por Afra Gomes e Leandro Goulart.
Elenco: Ricardo Klayn, Rosana Dias, Rafael Brits, Marta Laureano, Tamara Innocente, Rafael Rei e convidados especiais.
Preparação Vocal: Cláudia Sampaio
Cenário: Clívia Cohen
Fotos e Design Gráfico: Magno Laureano
Assessoria de Imprensa: Tatiana Pereira
Produção: Rosana Dias e Lília Costa
Direção Geral: Afra Gomes e Leandro Goulart

Serviço:

Temporada: De 13 de novembro a 19 de dezembro.
Horários: Terça e Quarta às 21h30. 
Ingressos: R$ 50 (inteira).
Duração: 70 minutos.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!