Kid Abelha festeja 30 anos em grande estilo

(Foto: Divulgação)

Não tem como negar: não há no Brasil uma banda de rock pop de tanta influência quanto o Kid Abelha. A prova estava nos mais de 2 mil fãs que acompanharam a gravação do DVD que comemora os 30 anos de carreira da banda, no dia 21 de abril, no Citibank Hall, na Barra da Tijuca, no Rio. Tudo bem que a grande maioria do público do show era quarentona. E põe grande maioria nisso, mas logo na entrada ficou clara a chegada de um novo público, mesmo que ainda tímido, mas que sabe muito bem em que chão estava se metendo. Adolescentes - aqueles que também gostam do Restart e Rebeldes – se renderam a Paula Toller e cia.

Para abrir a noite, o grupo escolheu “No seu lugar”. A galera foi ao delírio quando Paula Toller, no auge dos seus 52 anos, sobe ao palco com um vestido prata e de pernas de fora, mostrando que a cada dia fica mais jovem , deixando qualquer menina de 20 anos de queixo caído. No palco, três telões de alta definição ajudavam a compor o cenário e dava um clima high tech ao show. 

(Foto: João Marcos Guerra / Contracen@rte)

Enquanto isso, o canal Multishow transmitia o show ao vivo. Olha que eu bem que tentei aparecer, mas a câmera cismava em fugir de mim. O sucesso foi tão grande que a hastag #KidAbelha30Anos ficou em primeiro lugar nos TT's mundiais, ou seja, o Kid Abelha foi o assunto mais comentado do mundo sábado.

O público estava fervendo, cantava em coro todos os sucessos. Eu, claro, não podia ficar de fora. Estava estampado na cara de Paula, George Israel e Bruno Fortunato que  aquele momento estava sendo um dos mais importantes da carreira da banda. Foi lindo participar de tudo tão de perto. O trio trouxe sucessos nesta turnê, como "Glitter de Principiante" (a que funcionou bem ao vivo) e "Veio do Tempo". Mas sem dúvida, um dos momentos altos foi em “Te amo para sempre”.

(Foto: João Marcos Guerra / Contracen@rte)

Alguns sucesso, no entanto, como as praticamente obrigatórias, "Brasil" e "Eu Contra a Noite", sumiram do show, enquanto algumas canções que estavam na gaveta foram resgatadas e aprovadas pela plateia, como a antiga e ainda eficiente "Seu Espião", do disco de estreia do grupo, de 1984. Paula Toller, cantando cada vez melhor, mostrou toda o seu lado “rainha de bateria” ao sambar com a bateria da Mangueira, comandada pelo presidente da agremiação Ivo Meirelles, que no mesmo dia havia faltado à eleição para presidência da sua escola de samba.

                                                                  (Foto: Divulgação)

Após o final do show, George voltou ao palco e anunciou que eles voltariam para repetir mais uma música. Depois de 30 minutos, quando boa parte do público já havia  ido pra casa, eles apareceram no palco e repetiram "Tudo de nós", "Lagrimas e chuva" e "Eu tive um sonho”. Foi uma celebração de hits, alguns com nova roupagem, e outros que já viraram “fixação”.
Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Obrigado pela sua opinião!
Contracene, seja o Artista!