Para Salvar Beth é a principal aposta na mostra competitiva do 14º Curta Santo

Para Salvar Beth (foto:divulgação)

O curta metragem de Theodoro Cochrane Para Salvar Beth” foi selecionado para participar e competir na Mostra Competitiva Olhar Brasilis, dedicada à produção nacional do 14º Curta Santos, que acontece de 26 de setembro a 01 de outubro em Santos, situada em nosso litoral paulista. O festival é um dos mais importantes eventos do gênero no país, e mapeia o atual panorama da produção audiovisual em curta metragem.

A obra fala sobre um homem que vê sua vida ser modificada ao ser contratado para levar uma cachorrinha a sessões de tratamento em uma clínica veterinária. Essa nova relação interfere em seu próprio casamento e na sua maneira de perceber o mundo.

O elenco conta com a participação de Emerson Rossini, como protagonista, Clarissa Kiste e Cibele Bissoli, além das participações especiais de Marília Gabriela e Antônio Fagundes.  
Para Salvar Beth” é um conto que faz parte do livro “Deixe o quarto como está”, do escritor gaúcho AmilcarBettega. Theodoro conheceu o conto em 2003 e em 2015 conseguiu concretizar o projeto levando-o às telas de cinema.

O curta teve sua estreia no 27o Festival Internacional de Curtas de São Paulo – Brasil e participou de alguns festivais internacionais, dentre eles:

Los Angeles BrazilianFilm Festival - Estados Unidos. 
EkurhuleniInternationalFilm Festival – África do Sul
TaratsaInternationalFilm Festival – Grécia


Confira os curtas da mostra:

AQUELES ANOS EM DEZEMBRO (FELIPE ARROJO POROGER)
CINE PAISSANDU: HISTÓRIAS DE UMA GERAÇÃO (CHRISTIAN JAFAS)
POBRE PRETO PUTO (DIEGO TAFAREL)
SOB ÁGUAS CLARAS E INOCENTES (EMILIANO CUNHA)
CORDILHEIRA DE AMORA II (JAMILLE FORTUNATO)
XAVIER (RICKY MASTRO)
ABISSAL (ARTHUR LEITE)
O QUE TERIA ACONTECIDO OU NÃO NAQUELA CALMA E MISTERIOSA TARDE DE DOMINGO NO JARDIM ZOOLÓGICO (ALLAN SOUZA LIMA E GUGU SEPPI)
MUNDO 42 (SERGIO KIELING)
TEM ALGUÉM FELIZ EM ALGUM LUGAR (ÁLVARO FURLONI E MÁRIO FURLONI )
A VIDA TEM DESSAS COISAS (JANUÁRIO JR)
PULSO (FELIPE AUFIERO FONSECA)
PARA SALVAR BETH (THEODORO COCHRANE)
O GOLPE(FILIPPO CAPUZZI LAPIETRi)
RESTOS (RENATO CHAGAS GAIARSA)

A programação prevê ainda mostras especiais oficinas e debates.

“Cegonhas” surpreende com bom humor e mensagem humana

Por Eduardo Cabanas (Twitter: @edu_dc)

Nota: 4/5 (Muito Bom)

"Cegonhas - A História que Não te Contaram" (Foto: Divulgação)
Os trailers não estão muito a favor de “Cegonhas”, verdade seja dita. Uma rápida olhada em toda a campanha de marketing, não tem como animar nem mesmo os mais otimistas dos pais. Não sei se é reflexo da quantidade de animações genéricas que os grandes estúdios tem colocado nos cinemas ultimamente, mas este novo projeto da Warner Animation Group parecida destinado a arrancar meia dúzia de sorrisos dos pequenos para logo depois ser esquecido. Felizmente, o filme surpreende com extremo bom humor e uma linda mensagem de humanidade. 

A trama gira em torno de uma empresa de cegonhas que há anos deixou de entregar bebês depois que um dos funcionários surtou e falhou na entrega de uma criança. Dezoito anos se passam, ela cresce e se torna Tulipa (Tess Amorim), uma menina atrapalhada que faz tudo para se encaixar na companhia, aonde vive desde que nasceu. Em mais um de seus equívocos, aciona sem querer a máquina de produção de bebês (pois é) e acaba com uma linda bebezinha de cabelos rosas nos braços. Júnior (Klebber Toledo), uma cegonha que estava prestes a se tornar chefe da companhia, decide ajudar Tulipa a entregar a bebê sem que ninguém saiba, com medo de perder sua promoção.

(Foto: Reprodução)
Diferente de produções mais ousadas de estúdios como a Pixar ("Wall-E", "Toy Story") ou o Ghibli ("A Viagem de Chihiro", "Ponyo"), “Cegonhas” não tem a pretensão de entregar uma história dupla ou aprofundada, que funcione em um espectro para as crianças e em outro completamente diferente para os adultos (vide "Divertida Mente"). Aqui ou ali, até vemos algumas referências destinadas aos pais (em especial, as piadas que envolvem a real origem dos bebês), mas de uma forma em geral todo o humor e temática são bem universais. E não entendam isso como uma crítica! Pelo contrário, o texto funciona muito bem e consegue atingir a compreensão em todas as faixas etárias. E o bacana é ver como os roteiristas alcançaram a medida certa para o humor, que hora depende do timing “físico”, hora se joga no nonsense e as vezes até arrisca um pastelão, sem perder o ritmo ou a graça.

Mas o mais interessante é reparar como o roteiro jamais se deixa cair no moralismo barato. Com a trama que tem, que mexe diretamente com os conceitos de criação e família, tinha tudo para flertar com ideais conservadores e travar o discurso por eventuais motivos religiosos. Mas não, na hora de definir simbolicamente a sua imagem de “família”, o filme entrega uma sequência lindíssima mostrando casais de todas as espécies recebendo seus bebês: héteros, brancos, gays, asiáticos, negros, lésbicas, cegonhas e humanos. Se configurando, talvez, como a primeira vez que uma animação infantil de grande orçamento coloca de forma tão explícita nas telas uma visão humana e contemporânea de família, sem ficar presa a conceitos ultrapassados e mensagens genéricas.

(Foto: Reprodução)
“Cegonhas”, desta forma, mesmo se entregando eventualmente a alguns leves clichês, consegue botar o pézinho (ou seria as penas?) na história do cinema hollywoodiano. Mostra para o público infantil, através de uma embalagem leve e despretensiosa, uma lição de vida e aceitação, que muitas vezes a sociedade falha em ensinar. Afinal, como o filme mostra, família não é um elo de genes ou gênero, e sim de carinho, companheirismo e, sobretudo, amor.

Sobre o autor: Eduardo é produtor cultural, cinéfilo e autor do blog de viagens Player 1 Viajante: www.player1viajante.com

Laura Pausini elogia Olimpíadas e é ovacionada por fãs

Laura Pausini (foto: Roberto Filho/Brazil News)

A cidade maravilhosa teve a honra de receber a nossa italiana mais carioca, Laura Pausini, no palco do Metropolitan, na última quarta-feira, dia 14 com a turnê Simili US and LATAM Tour 2016. Casa cheia, com uma configuração não muito comum para espetáculos onde tínhamos cadeiras ao invés das habituais mesas, que não foram suficientes para manter os espectadores sentados, tamanha ansiedade e êxtase que todos ali estavam. Nossa caríssima Laura começa a noite com "Simile", canção que nomeia a turnê, seguido por "Innamorata" e "Strani Amore", canção eternizada por Renato Russo e cantada em uníssono por todos.

Laura, sempre simpática e meiga, conversa o tempo todo em português com a platéia. Em um dos momentos brinca que foi convidada para fazer o desfile feito por GiselBündchen na cerimônia de abertura das Olimpíadas mas estava "cansada"e portanto fora substituída. E elogia a nossa cerimônia! Em outro momento, homenageia Hebe Camargo, morta em 2012, cantando "Seamisai" música que a amiga mais gostava. 

Dona de muitos hits, foi impossível ficar parada e não relembrar a adolescência embalada nos sucessos de Laura, como "E Ritorno da te", "Un'emergenza d'amore", "Se Fue", "Inesquecível" que foi conhecida pelos brasileiros na voz de Sandy, dentre outras. Para tantos sucessos, foi necessário lançar mão de vários medleys para que nada faltasse. Afinal, são mais de 20 anos de carreira e que os fãs que ali estavam, fariam de tudo para relembrar cada música, cada verso.

Laura Pausini (foto: Roberto Filho/Brazil News)

Dois momentos marcantes do show foram a homenagem que Laura prestou para a filha, dedicando a música “A Ella Le Debo Mi Amor”, enquanto assistíamos ao fundo o clipe que conta com a participação de ninguém menos que sua filha, Paola, e do marido, Paolo Carta. Paolo que é guitarrista e integrante da banda de Laura, estava ali presente. Muito fofo assistir a tanta celebração.
O segundo ponto alto foi a escolha de uma fã para subir ao palco e cantar "La Solitudine" com ela. A escolhida é carioca, moradora do bairro Del Castilho e ficou extremamente emocionada com a cena. É bem emocionante ver a interação, carinho e respeito que Laura dedica aos seus fãs.

Carinho este que a fez não querer sair do palco depois do bis. Laura apresenta sua banda e equipe de roupão e ainda faz uma palhinha antes de ir embora em definitivo. Um show com várias trocas de roupas, vários papos descontraídos, um palco moderno e iluminação impecáveis. Uma noite memorável, tanto para os fãs que ali estavam quanto para Laura, extasiada por estar de volta ao país que tanto a admira e ama. 

Setlist:

Simili
Innamorata
Strani amori
E ritorno da te
Medley: Sono solo nuvole / It's Not Goodbye / 200 note / Seamisai (Sei que me amavas)
Medley: Con la musica alla radio / Benvenuto / Io canto / Per la musica
Celeste / È a lei che devo l'amore
Tra te e il mare
Non ho mai smesso / Inesquecível / Le cose che vivi / Il nostro amore quotidiano / Se non te
Nella porta accanto / Bellissimo così / Ascolta il tuo cuore
Invece no
Agora não (a cappella)
Primavera in anticipo (It Is My Song) / Gente / Un'emergenza d'amore
Regresaré (con calma se verá) / Y mi banda toca el rock / Se fue
(salsa version)
Vivimi
Ho creduto a me
Spaccacuore / Chiedilo al cielo / Resta in ascolto
Come se non fosse stato mai amore
La solitudine (with fan from the crowd)
Limpido / Surrender / Io c'ero (+ amore x favore)
Lato destro del cuore
Simili (reprise)

Bis:
Innamorata

Já Imaginaram uma Suíte Inspirida no Filme 'Star Trek: Sem Fronteiras' ?

Por Paulo Rodrigues

Dedicado aos fãs da saga “Star Trek”, o Sheraton São Paulo WTC Hotel apresenta uma suíte toda decorada de acordo com o novo filme. O quarto traz luzes de LED, ilustrações da sequência estampam as paredes, e os móveis receberam algum toque futurista.
No banheiro, até o chuveiro se tornou especial, com LEDs que mudam de cor. Todo o ambiente do espaço foi criado em parceria com a Paramount Pictures e estará disponível para reservas até o dia 24 de setembro, mês em que a série completa 50 anos. E não fica por aí! Os hóspedes ainda ganham uma surpresa no final da estadia.
No longa, capitão Kirk (Chris Pine) e a sua equipe estão perdidos em um planeta desconhecido e sob a ameaça de Krall (Idris Elba) - um temível inimigo que colocará à prova tudo o que a Federação representa. Eles vão precisar driblar o vilão, podendo contar apenas com a ajuda da equipe e com Jaylah (Sofia Boutella), única aliada que encontram pelo caminho.
Aos fãs da saga o Sheraton São Paulo WTC Hotel encontra-se na avenida das Nações Unidas, 12.559, Brooklin - São Paulo, SP. Reservas através do telefone 11 3055-8000. 
Corram pois vale muito a pena!

Scorpions traz 50 anos de sucessos para os fãs Cariocas

Scorpions no Metropolitan (foto: Emanuelle Valles)

Uma noite memorável para os cariocas entusiastas do Hard Rock. Scorpions volta ao Rio, depois de um jejum de oito anos e se apresentou para uma casa cheia, os seus hits de 50 anos de estrada. O Metropolitan, casa situada na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, ficou pequena para a grandiosidade do espetáculo.

Assim que cheguei vi uma massa eufórica e fiel ao quinteto, aguardando ansiosamente para o retorno. Com 20 minutos de atraso,  Klaus Meine (vocal), Rudolf Schenker (guitarra), Matthias Jabs (guitarra), Paweł Mąciwoda (baixo) e James Kottak (bateria) entraram sacudindo a noite com "Going Out With a Bang" num cenário moderno porém simples para a ocasião. Mas o que importa, se a celebração da música era o que todos ali queriam?

Scorpions no Metropolitan (foto: Emanuelle Valles)


Com a clássica "Make It Real", seguida de "The Zoo" a platéia foi ao delírio, com a dobradinha impecável de Jabs e Schenker, cheia de energia e alegria. Em "Coast to Coast", o arrepio era em uníssono, tamanha emoção. Como a música fora gravada por 3 guitarristas, Meine deu uma força nas 6 cordas.

Para os entusiastas dos tempos de Uli Jon Toth, tivemos um momento eletrizante, para guardar na memória, com o medley setentista que tivemos a honra de assistir. Uma passada pela trajetória da banda alemã, onde tivemos "Top of the Bill", "Steamrock Fever", "Speedy´s Coming" e "Catch your Train". De volta ao presente, tivemos "We Built This House" e o solo de Jabs, apelidado de Delicate Dance. Uma pausa para a pauleira, nos deleitamos com o medley acústico impecável, com "Always Somewhere", "Eye of the Storm" e "Send me an Angel". Uma prévia para a consagrada, "Wind of Change". Lindo. Memorável. Indescritível.

Scorpions no Metropolitan (foto: Emanuelle Valles)

Homenagem a Lemmy Kilmister

Retornando ao ritmo forte do show, tivemos a honra de presenciar uma homenagem mais que sincera da banda para o líder da banda Motörhead, morto ano passado, Lemmy kilmister. "Overkill", um dos hinos da banda inglesa, foi a escolhida para a homenagem. Melhor, impossível. Em seguida tivemos um espetacular solo de Mikkey Dee, chamando o público para o que viria em seguida: "Blackout" e "Big City Nights". Para fechar a noite, no bis tivemos as clássicas "Still Loving You" e "Rock You Like a Hurricane".
A esperança de todos os fãs é que Meine mantenha a palavra, retornando ao Brasil em breve. Enquanto isto, o dia 10 de Setembro ficará registrado na memória e no coração como sendo um dia indescritível.

Sobre o Scorpions

São 50 anos de carreira, mais de 100 milhões de álbuns vendidos no mundo todo, diversos hits no top 10 em grandes mercados e pioneirismo. Esses são alguns dos pontos que colocam o Scorpions como a maior banda de rock alemã de todos os tempos. Não bastasse isso tudo já ser razão suficiente para ir a esse show histórico, a banda ainda promete um repertório recheado de seus maiores sucessos.

Durante sua trajetória, a banda influenciou grandes nomes do rock como Iron Maiden, Bon Jovi e Metallica. Álbuns clássicos como Blackout e Love At First Sting, e os hits No Pain, No Gain, Wind of Change, Still Loving You e Rock You Like a Hurricane não só lançaram o grupo ao sucesso mundial, como fizeram a história do rock alemão. Rock like a Hurricane por si só foi regravada mais de 150 vezes por diferentes músicos.

O Scorpions é formado pelos músicos Klaus Meine (vocal), Rudolf Schenker (guitarra), Matthias Jabs (guitarra), Paweł Mąciwoda (baixo) e James Kottak (bateria). Em cinco décadas, a banda quebrou paradigmas e foi pioneira em fazer shows em lugares restritos para ocidentais durante a guerra fria. Em 1988, eles foram a primeira banda de rock ocidental a fazer shows esgotados cinco dias consecutivos na ainda Leningrado soviética. Outras realizações desse tipo também foram vistas em shows na China e Sudeste da Ásia, abrindo portas para muitas bandas ocidentais nesse mercado. O grupo também se apresentou no festival Moscow Music Peace, de 1989, onde o Scorpions finalmente conquistou a Rússia de vez. A apresentação inspirou Klaus Meine a escrever uma faixa que se tornou o tema da queda da Cortina de Ferro: Wind of Change.

Setlist

Intro
Going out with a Bang
Make it Real
The Zoo
Coast to Coast
70´s Medley (Top of the Bill, Steamrock Fever, Speedy´s Coming, Catch your Train)
We Built This House
Delicate Dance
Acoustic Medley (Always Somewhere, Eye of the Storm, Send me an Angel)
Wind of Change
Rock´n Roll Band
Dynamite
Overkill
Drumsolo Mikkey Dee
Blackout
Big City Nights

Bis

Still Loving You
Rock You Like a Huricane

‘Ouija - Origem do Mal’ traz ainda mais mistério em torno do tabuleiro

Por Paulo Rodrigues

(Foto: Reprodução)

Quando você fala com o outro lado, você nunca sabe quem estará ouvindo, esta é a chamada que acompanha o novo filme da franquia “Ouija – Origem do Mal”. Desta vez uma pequena família enfrentará um inimigo desconhecido ainda pior!

Para aperfeiçoar seus negócios e sugar mais dinheiro de seus clientes céticos, uma viúva e suas duas filhas criam uma espécie de golpe e convidam sem querer uma entidade maligna para sua casa, que acaba possuindo Doris (Lulu Wilson) sua filha mais nova, uma garotinha solitária e pouco popular na escola, que costuma usar um tabuleiro Ouija para se comunicar com o pai. Elas terão que enfrentar medos inimagináveis para salvar a menina e mandar o espírito de volta para o lugar que saiu.

Com direção de Mike Flanagan, de O Sono da Morte, e produção de Michael Bay, o filme se passa nos anos 60 e conta com Henry Thomas, Elizabeth Reaser, Doug Jones, Parker Mack, Sam Anderson, Kate Siegel, e Annalise Basso no elenco. A estreia no Brasil está prevista para 20 de outubro.  

Mais um para sua agenda! O susto é garantido!